Em destaque

22 de Março 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2311 patacas e 1.1378 dólares norte-americanos.

Doca dos Pescadores vai ter jogos de realidade virtual
Quinta, 14/02/2019
A Doca dos Pescadores vai ter um centro de jogos de realidade virtual de uma empresa japonesa e um museu de cera em meados deste ano, revelou Melinda Chan no Almoço de Primavera do grupo Macau Legend Development.

“Vamos ter um centro de realidade virtual japonês no rés-do-chão do centro de convenções”, disse aos jornalistas a presidente da Doca dos Pescadores.

“Eles vêm a Macau para assinar o contrato. Em Abril vamos ter uma conferência de imprensa com a empresa, por isso mais tarde vamos revelar todos os pormenores. Por enquanto não quero falar de nomes, o que posso adiantar é que são jogos que me acompanharam ao longo da vida”, acrescentou.

A Doca dos Pescadores também vai ter um parceiro para o museu de cera, a instalar no Legend Boulevard. Melinda Chan diz que a ideia é ter celebridades em figuras de cera, mas não adiantou pormenores.

De acordo com a presidente da Doca dos Pescadores, empresa subsidiária do grupo Macau Legend Development, durante o Ano Novo Chinês a Doca dos Pescadores recebeu cerca de 18 mil visitantes por dia. O Legend Palace Hotel registou mais de 90 por cento de taxa de ocupação durante a Semana Dourada.

A presidente da Doca dos Pescadores revelou ainda que está previsto aumentar o número de quartos do Legend Palace. No total vão ser mais 90 a 96 quartos, adiantou Melinda Chan, ressalvando, no entanto, que o projecto ainda não foi submetido à Direcção Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT).

“O Legend Palace só tem 200 quartos. É por isso que estou a planear ter mais, mas ainda não submetemos a projecto. Estamos agora a tentar fazer o design. A ideia é ter mais 90 ou 96 quartos no hotel. É uma área que já estava aprovada para hotel há alguns anos, só estamos a mudar algumas funções no interior”, explicou.

Já sobre o projecto para o novo hotel da Doca dos Pescadores, que esteve envolto em polémica por causa da altura, o grupo já aceitou o limite de altura – de 90 metros para 60 metros –, mas Melinda Chan diz que é preciso voltar a redesenhar o projecto antes de submeter nova versão para apreciação à DSSOPT. Melinda Chan diz que vão ser precisos três ou cinco anos para terminar este projecto.

“Ainda não definimos um número de quartos, estamos a fazer os cálculos, sobre quantos quartos, restaurantes e lojas queremos ter. (...) Ainda temos muito para discutir”, afirmou.

Fátima Valente