Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

Rádio Macau Entrevista
com o advogado Rui Cunha. Sábado ao meio-dia, repetição Segunda às 10h30.
Quinta, 25/04/2019
O empresário Kevin Ho, administrador da KNJ, detentora de 30 por cento da Global Media, confirma que vai haver despedimentos no grupo de comunicação social de língua portuguesa, detentor de títulos como o Diário de Notícias e Jornal de Notícias, bem como a rádio TSF. O jornal Expresso avançou em Fevereiro com a possibilidade de serem rescindidos quase 200 contratos. Em declarações à TDM em Pequim, Kevin Ho confirmou os despedimentos, disse lamentar a situacão, mas ressalva que não há ainda números exactos: “Não temos um número exacto, mas vai haver uma restruturação. A restruturação não é apenas despedir pessoas, é uma restruturação de toda a empresa que envolve alterar os recursos humanos. Vamos despedir algumas pessoas, vamos mudar pessoas para outros departamentos, para outras empresas, vamos reorganizar a empresa toda, vamos tentar agilizar a nossa empresa e esperamos que isto ajude todo o grupo”. Em Outubro de 2016, quando chegou a acordo para a entrada no capital da Global Media, o empresário de Macau disse que não havia planos para despedimentos no grupo de media português. Sónia Nunes, em Pequim...
Quinta, 25/04/2019
Os empresários de Macau com investimentos em Portugal terminaram o dia de hoje no Fórum Internacional de Pequim sobre “Uma Faixa, Uma Rota” com as expectativas renovadas sobre a estratégia de comércio global da China. A delegação de Macau teve uma agenda preenchida, mas longe do olhar dos jornalistas. O grupo de Macau passou o dia numa zona de acesso reservado, mesmo quando o secretário para Economia e Finanças, Lionel Leong, fez um discurso. A estratégia económica dominou parte da agenda da delegação, que, além de altos governantes, inclui também figuras com um papel político, mas também económico. Pela primeira vez, no grande fórum diplomático de Pequim, houve uma sessão para empresários. Kevin Ho, que investiu no grupo português de comunicação social Global Media, esteve lá e contou o que aconteceu à TDM: “Ouvimos bastantes bons dirigentes sobre a visão que têm sobre a iniciativa ‘Uma Faixa, Uma Rota’. Os primeiros três oradores deram uma perspectiva mais oficial, mas também tivemos empresários a falar sobre as ligações com os países inseridos na iniciativa e como está a ser a experiência em investir nestes países. Consigo ver um futuro muito brilhante e tenho a certeza que esta iniciativa vai ser cada vez mais influente no mundo”. Dominic Siu, igualmente com investimentos em Portugal, também esteve no encontro com empresários. Saiu com a ideia de que há hipóteses para as pequenas e médias empresas, que constituem mais de 90 por cento do tecido empresarial de Macau: “Esta é uma das direcções para o futuro. Para as empresas de Macau, num futuro próximo, vamos conseguir concretizar as oportunidades da Grande Baía e, ao mesmo tempo, encontrar novas oportunidades nesta iniciativa ‘Uma Faixa, Uma Rota’”. São, ainda, salientadas as expectativas sobre um reforço das ligações com Portugal e do papel de Macau enquanto intermediário e a convicção de que, quando o evento acabar, a comunidade internacional vai estar mais convencida em relação ao projecto de Xi Jinping. Há também um discurso oficial mais forte para afastar as críticas sobre o custo que o investimento chinês acarreta para os países mais pobres. Kevin Ho elogia a intervenção do ministro chinês das Finanças, Liu Kun, quando disse que há cuidados para evitar dívidas que ninguém consegue pagar: “Provavelmente, havia dúvidas. O nosso ministro das Finanças respondeu a esta questão bastante bem. Mas o fórum principal é inaugurado amanhã. Claro que todas as atenções vão estar centradas no discurso do Presidente. Quando terminar todo o evento, as pessoas vão ter um entendimento melhor e mais claro de toda a iniciativa”. A agência estatal Xinhua está a apresentar as críticas dos Estados Unidos e dos principais países europeus como típicas de uma “mentalidade de guerra fria”, opiniões que procuram diabolizar os empréstimos da China. Para Pequim, há factos e os factos mostram que a China está ajudar outros países a saírem de um estado de subdesenvolvimento. Sónia Nunes, em Pequim...
Quinta, 25/04/2019
O secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, revelou hoje que a Comissão de Fiscalização da Disciplina das Forças e Serviços de Segurança vai passar a ter mais poderes. De acordo com uma nota do Gabinete Comunicação Social, em declarações a jornalistas, o governante referiu que “as autoridades de segurança não toleram quaisquer violações à lei e aos regulamentos e que as mesmas serão tratadas com a devida seriedade”. Ainda que Wong Sio Chak refira que existe “uma tendência para diminuir” no número registado de casos envolvendo agentes, “as autoridades continuam a exigir obediência à lei e o cumprimento da disciplina com rigor”. Para “alargar o poder da Comissão de Fiscalização da Disciplina das Forças e Serviços de Segurança de Macau”, Wong Sio Chak disse que é preciso “rever um despacho do Chefe do Executivo”, o que prevê estar concluído em Junho. Do mesmo modo, o secretário afirmou que será estudada “a viabilidade de legislar sobre a matéria, no sentido de permitir à Comissão fiscalizar de forma mais orientada e elevar o nível de gestão relativamente à garantia da execução de disciplina”. Todavia, “devido à amplitude e complexidade da matéria, será pouco provável a conclusão” deste processo legislativo “durante o actual governo”, ou seja, até ao final deste ano. Desde Dezembro de 2014 até esta terça-feira, foram divulgados 53 casos de violações e alegadas violações à lei e por parte de agentes das forças de segurança. O mais recente envolve um investigador criminal da Polícia Judiciária suspeito de conduzir sob efeito de álcool. Wong Sio Chak considera o incidente “muito sério”, afirmando que a PJ “não só instaurou de imediato um procedimento disciplinar como divulgou o caso na página electrónica do Gabinete do Secretário para a Segurança”. Hugo Pinto...