Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Consulado de Portugal regista 4790 novos eleitores
Quarta, 08/07/2015

O período de recenseamento eleitoral para as eleições no Conselho das Comunidades Portuguesas encerrou hoje e, em Macau, há 4790 novos eleitores. O número deixa o cônsul-geral de Portugal, Vítor Sereno, muito satisfeito.

 

“Os resultados são inequívocos, não podem deixar-me mais satisfeito. Quando a campanha começou, havia pouco mais de 11 mil cidadãos recenseados. Hoje, com os cadernos eleitorais fechados, há 15.975. Ou seja, mais 4790 eleitores, o que equivale a mais 43 por cento”, disse.

 

Vítor Sereno agradece às várias associações de matriz portuguesa que colaboram no recenseamento eleitoral e deixa uma palavra de reconhecimento à equipa do Consulado Geral de Portugal. “A todos, sem excepção. O consulado esteve aberto à hora de almoço, justamente para facilitar o recenseamento dos nossos concidadãos”, notou o chefe da missão portuguesa.

 

Confrontado com as recentes críticas de José Pereira Coutinho, o cônsul-geral prefere não comentar. Vítor Sereno refere apenas que o objectivo é prestar um “melhor serviço”.

 

“Tomo todas as críticas como positivas, desde que sejam para elevar o nome de Portugal e para prestar um melhor serviço. Respeito a opinião do agora candidato a conselheiro e, durante oito anos, membro do Conselho das Comunidades Portuguesas”, esclareceu.

 

Vítor Sereno acrescenta que reúne periodicamente com Pereira Coutinho e os presidentes das associações de matriz portuguesa. “Estou habituado a que no remanso das reuniões se troquem opiniões livres e construtivas para se garantir, cada vez mais, um melhor serviço”, insistiu o diplomata.

 

Quanto ao dia das eleições, Vítor Sereno garante que o consulado vai fazer “tudo” para que os eleitores exerçam o direito ao voto “sem perder muito tempo”. “Não vamos poupar esforços para que a representação diplomática tenha todos os meios para que a eleição corra da forma mais tranquila possível. É óbvio que o óptimo é inimigo do bom e que o ideal seria mais mesas de votos, mas vamos ter as que são possíveis dentro do espírito de prestação de um bom serviço”, concluiu.