Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Pereira Coutinho defende “prata da casa” no Fórum
Quarta, 08/07/2015

José Pereira Coutinho defende que Lisboa deve nomear um português de Macau como delegado no Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa. Sem avançar nomes, o conselheiro das comunidades portuguesas diz que é necessário ter um representante luso com conhecimento da realidade e língua chinesas.

 

“Por que não? A prata da casa. É preciso conhecer os meios, as pessoas, as instituições, a China e falar várias línguas, além do português. Eu conheço o adido comercial de Itália, que fala fluentemente mandarim. Fala como um chinês. Está no campo, a suar, com as mangas arregaçadas. Não pode estar sentado no gabinete, com o ar condicionado ligado, ou a viajar pela Tailândia ou Malásia. Não pode fazer o seu mandato de quatro anos e depois regressar. Isso, para nós, não serve”, nota Pereira Coutinho, em declarações à Rádio Macau.

 

Em 2013, o macaense Vitório Cardoso chegou a ser apontado para representar Portugal no Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa. No entanto, a hipótese – avançada pela agência Lusa, que citava fontes do Governo português – não se concretizou.

 

Pereira Coutinho critica ainda o facto de Lisboa continuar sem um representante exclusivo, na estrutura multilateral. Actualmente, é o cônsul português em Macau, Vítor Sereno, que desempenha as funções de delegado.

 

“Portugal negligenciou a nomeação do delegado do Fórum, assim como o Brasil. Mas o Brasil não precisa do Fórum. Negoceia com a China e está noutro patamar a nível dos países de língua portuguesa. Mas Portugal, efectivamente, nunca se interessou muito pelo Fórum. Tanto o antigo como o novo cônsul não têm responsabilidades nisso porque quem nomeia é Portugal. As instituições portuguesas é que são responsáveis pela nomeação”, salienta.

 

Pereira Coutinho diz que a crítica à posição de Portugal em relação ao Fórum é partilhada por outros conselheiros das comunidades portuguesas. Recorde-se que o também presidente da Associação dos Trabalhadores da Função Pública de Macau e deputado à Assembleia Legislativa é candidato ao cargo, pela terceira vez consecutiva, através do círculo eleitoral que abrange China, Japão e Tailândia.

 

As eleições para o Conselho das Comunidades Portuguesas estão marcadas para dia 6 de Setembro. A lista encabeçada por Pereira Coutinho conta ainda com Rita Santos e Armando de Jesus.