Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Terrenos: Deputados não acreditam nas explicações de Rosário
Sexta, 03/07/2015

As explicações dadas por Raimundo do Rosário em relação aos 16 terrenos concessionados que não vão ser recuperados pelo Governo estão longe de convencer os deputados à Assembleia Legislativa (AL). O tema dominou o período de antes da ordem do dia do plenário desta tarde.

 

Vários deputados pediram mais justificações e a divulgação de todos os detalhes, em interpelações particularmente agrestes para Raimundo do Rosário. O secretário para os Transportes e Obras Públicas já explicou porque é que os 16 terrenos no centro da polémica, que constavam de uma lista de parcelas a reaver, não vão ser recuperados, mas alguns membros da AL parecem não acreditar na justificação.

 

Ng Kuok Cheong defende que se deve esclarecer “se houve tráfico de interesses, injustiça ou negligência administrativa grave” e não aceita as afirmações feitas por Raimundo do Rosário. “O secretário para os Transportes e Obras Públicas declarou, de repente, que a decisão de ‘deixar em paz’ os 16 terrenos, cujo estado de abandono era imputável aos promotores, tinha sido tomada pelo Governo anterior. Ora, ou o secretário está a esquivar-se às responsabilidades, ou trata-se de uma ocultação propositada do passado”, atirou o deputado da Associação Novo Macau.

 

Au Kam San também não acredita que os concessionários dos 16 terrenos não tenham responsabilidade, como argumenta o Governo, e sugere, num tom nada simpático para o Executivo, duas possibilidades: “Ou são todos uns palermas, os dirigentes dos serviços públicos – passando pelo secretário e chegando ao Chefe do Executivo –, ou os dirigentes do Governo acham que a população de Macau é que é palerma”.

 

O deputado recorda que o processo de levantamento dos terrenos concessionados começou a ser feito em 2010. Quase dois anos depois, estavam identificadas 48 parcelas em que o não aproveitamento era da responsabilidade dos concessionários. O facto de, afinal, já não serem 48, deixa o deputado desconfiado. Au Kam San vinca ainda que nunca foram divulgadas informações sobre os terrenos, nem mesmo nas reuniões das comissões da AL.

 

De todo este processo, o deputado retira uma conclusão. “O Governo é tolo ou então está a vender gato por lebre, argumentando que no caso destes terrenos a responsabilidade não é imputável aos concessionários, com vista a enganar tanto a Assembleia Legislativa, como a população de Macau.”

 

O caso dos 16 terrenos foi abordado também por outros deputados. Pereira Coutinho pede que sejam divulgados todos os pormenores sobre as terras em causa; o colega de bancada, Leong Veng Chai, não tem dúvidas em afirmar que “este incidente provocou uma crise de governação e a total perda de confiança da sociedade no Executivo”.

 

Recorde-se que o caso dos 16 terrenos levou o Chefe do Executivo a pedir ao Comissariado contra a Corrupção que faça uma investigação.