Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Quarta-feira)
Quarta, 10/06/2015

A síndrome respiratória do Médio Oriente é um dos temas fortes dos jornais publicados hoje, tanto em Macau, como em Hong Kong.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun escreve que foram canceladas as excursões para a Coreia do Sul este mês que a Air Macau permite que os clientes alterem os destinos das viagens. Ainda sobre as medidas de prevenção em relação à síndrome respiratória do Médio Oriente, o jornal conta que o Gabinete de Gestão de Crises do Turismo recomenda aos residentes de Macau que evitem viajar até à Coreia do Sul.

 

O Va Kio olha para o mesmo tema: “Agências de viagens locais cancelam as excursões em Junho com destino à Coreia do Sul”. O jornal também explica que as companhias aéreas permitem aos clientes alterarem a data do bilhete de avião, mas apenas uma vez.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A emissora tem estado esta manhã a dar conta da situação da síndrome respiratória do Médio Oriente. Os Serviços de Saúde garantem que não há qualquer problema com a mulher de nacionalidade sul-coreana que foi transportada para o hospital por se suspeitar ter contraído o vírus. A Ou Mun Tin Toi teve esta manhã como convidado no programa Fórum o presidente da Associação de Cirurgia de Macau: Chu Man Lap alerta para a necessidade de uma melhor comunicação entre médicos e pacientes.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“Propósitos de um acordo”, escreve o Hoje Macau nas gordas, a propósito do tratado de extradição, que tem “muitas incógnitas”. Noutro destaque, a lei do erro médico e o título “Profissionais contra presunção de culpa”.

 

O Jornal Tribuna de Macau conta que “IPM cria novos cursos para aumentar sinergias sino-lusófonas”. Noutro destaque, o cônsul de Portugal em Macau: Vítor Sereno diz que “Portugueses ‘têm muito mais para dar’ à RAEM”.

 

“Coreia do Sul. Evite-a, pela sua saúde”, lê-se no destaque principal da edição de hoje do Ponto Final. O jornal chama também à capa uma entrevista ao deputado Chan Chak Mo, que defende que “Macau será assimilado antes ainda de 2049”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Macau Daily Times puxa para manchete os casos revelados pelo CCAC que envolvem elementos das forças de segurança. No destaque com fotografia, “Presidente de Angola visita a China para assinar acordos económicos”.

 

“Não sonhe, acabou”, escreve o Business Daily nas gordas. O jornal destaca os preços do imobiliário – e explica que, apesar da queda das receitas dos casinos, as casas não vão descer mais. O económico dá ainda conta de uma medida que está a ser estudada para a Ilha da Montanha e que permitirá aos turistas que viajam para Hong Kong e para Macau permanecerem em Hengqin sem visto durante 72 horas.

 

O Macau Post Daily ocupa grande parte da capa com um texto sobre as medidas adoptadas pelo Governo de Macau em relação à situação na Coreia do Sul. Ainda na primeira página, uma fotografia dos chefes de Estado angolano e chinês. José Eduardo dos Santos está em Pequim para reforçar “uma cooperação que visa o desenvolvimento comum”, escreve o diário.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post faz manchete com o alerta vermelho em relação à síndrome respiratória do Médio Oriente. Noutro título, os despedimentos no HSBC: vão ser dispensados 25 mil trabalhadores, mas Hong Kong vai ser poupado.

 

O Standard escreve hoje sobre os aumentos salariais na função pública. A síndrome respiratória do Médio Oriente também está na primeira página do jornal, que refere que o Governo tem sido acusado de falta de coordenação em relação às medidas de prevenção a adoptar.

 

O China Daily dá conta de um encontro entre o primeiro-ministro Li Keqiang e os líderes de empresas internacionais, num texto em que se garante que a economia da China tem condições para um crescimento saudável. Nota também para a situação na Coreia do Sul – a síndrome respiratória do Médio Oriente levou à diminuição de voos para o país.