Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Segunda-feira)
Segunda, 08/06/2015

A condenação de um antigo administrador português do Centro Hospitalar Conde de São Januário, por burla, e a evolução do casos de infecções através da síndrome respiratória do Médio Oriente são temas fortes da imprensa.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun dá voz a uma associação que propõe a importação de empregadas domésticas de outras regiões da China, além de Guangdong e Fujian. Actualmente, o protocolo de cooperação que existe entre Macau e o Continente abrange apenas as duas províncias. No entanto, “a sociedade” tem apresentado queixas devido ao valor “elevado” que está a ser pago a estas trabalhadoras.

 

O Va Kio destaca a iniciativa conjunta entre Macau, Hong Kong, Cantão, Zhongshan, Zhuhai, Dongguan e Shenzhen na área da protecção ambiental. Ontem, a Praça do Tap Seac foi o palco das comemorações do Dia Mundial do Ambiente.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

O canal chinês da Rádio Macau centra atenções num acidente com seis turistas de Hong Kong, em Hua Hin, na Tailândia. Três pessoas morreram. A emissão desta manhã tem sido ainda marcada pela presença de dois responsáveis dos Serviços de Saúde, que estão a acompanhar de perto a evolução dos casos de infecções através da síndrome respiratória do Médio Oriente.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Hoje Macau coloca na primeira página a condenação do ex-administrador do Centro Hospitalar Conde de São Januário, Rui Sá. Trata-se do primeiro funcionário público português a ser condenado, na sequência de um caso de burla. A Administração foi lesada em 139 mil patacas. O jornal publica ainda uma entrevista à vice-directora do Centro do Bom Pastor, Debbie Lai. “É preciso um centro de abrigo para homens”, diz a responsável.

 

O Jornal Tribuna de Macau destaca que a defesa do Centro Histórico teve “apoio esmagador”. A conclusão é da consulta pública realizada pelo Instituto Cultural. Esta segunda-feira, Amélia António está também na primeira página. “Individualismo rouba capacidade de negociação à comunidade”, nota a presidente da Casa de Portugal.

 

O Ponto Final titula “ex-administrador condenado por burla com medicamentos”. O Tribunal Judicial de Base condenou Rui Sá a um ano e seis meses de prisão, com pena suspensa, por burla e falsificação de documento. “Deliberocracia chinesa” é outro destaque do jornal, que olha para as mudanças no regime político do Continente. Participação popular em debates e consultas públicas, através de experiências importadas das democracias deliberativas, são as razões das defende Baogang He, académico de uma Universidade de Singapura.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily faz o balanço do Fórum Internacional sobre o Investimento e Construção de Infra-estruturas, organizado em Macau entre quinta e sexta-feira, da semana passada. “Acordos, dólares e prazos” é o título escolhido para ilustrar o evento, que contou ainda com um encontro ministerial entre a China e os países de língua portuguesa. O jornal financeiro publica ainda uma entrevista com John Au, da Galaxy Entertainment, que fala em “soluções estratégicas” sobre o plano da operadora em apostar mais nas pequenas e médias empresas locais e também no segmento de massas do jogo.

 

O Macau Daily Times faz manchete com a proposta de lei de segurança nacional que preocupa Macau. Por duas vezes, em 82 artigos, os nomes das regiões administrativas de Macau e de Hong Kong são mencionados. No destaque fotográfico do jornal está Pequim, que “luta para acabar com a poluição, através de novas restrições”.

 

O Macau Post Daily prefere abordar a proibição do tabaco nas salas VIP. Ontem, um representante das empresas de junkets referiu-se à intenção do Governo como “desastrosa”.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily nota que o Governo de Hong Kong não vai poupar nos esforços para avançar com a reforma política, garante o secretário para a Justiça, Yuen Kuok-keung. No destaque fotográfico do jornal estão as “cerimónias matinais organizadas para as vítimas” do naufrágio no rio Yangtze.

 

O South China Morning faz eco de críticas ao Governo de Hong Kong por “negligenciar” cada vez mais a língua inglesa, em situações públicas. O diário avança ainda o “medo” em torno da síndrome respiratória do Médio Oriente está a aumentar, numa altura em que a Coreia do Sul divulgou os nomes dos 24 hospitais com casos de infecção.

 

O Standard olha para um caso de polícia. O corpo de uma mulher assassinada foi encontrado debaixo de uma laje de cimento, em Sheung Shui. O principal suspeito do crime é o namorado da vítima, que já foi detido.