Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Países asiáticos a africanos querem participar no Fórum
Domingo, 03/04/2011
O projecto do fundo de mil milhões de dólares norte-americanos, anunciado na reunião do Fórum Macau em Novembro, está a andar. O embaixador de Cabo Verde na China, Júlio Morais, afirma que “as condições para a institucionalização do fundo de desenvolvimento já estão avançadas. Os estudos prévios estão quase consumados. Há duas instituições financeiras – uma do continente, outra de Macau – que vão gerir o fundo”.

De acordo ainda com Júlio Morais, as duas instituições já “mobilizaram o financiamento de 200 milhões de dólares”. Por definir estão os critérios e os princípios de orientação dos empréstimos, mas já há prazos: “2012 será a fase final de consolidação. 2013 a implementação”, acrescentou.

Quanto ao valor do fundo – mil milhões de dólares americanos – o secretário-geral adjunto do Fórum Macau reconhece que pode não ser muito elevado, já que se destina a apoiar vários países, mas realça que o financiamento do fundo pode vir a contar com outras participações, além da China e de Macau. Manuel Amante da Rosa sublinha que na reunião ordinária do Fórum houve um apelo e abertura da parte das autoridades chinesas para que “os países de língua portuguesa que queiram participar nesse fundo o possam fazer”.

Manuel Amante da Rosa revelou ainda que o Brasil já abdicou do fundo “em prol dos países de língua portuguesa do continente Africano e de Timor-Leste”. Segundo Amante da Rosa, Portugal deve seguir a mesma opção do Brasil.

Entretanto, vários países manifestaram já o interesse em participar no Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os países de Língua Portuguesa, criado em 2003, como observadores. A intenção foi revelada durante a reunião do Fórum Macau, realizada esta semana na RAEM. O secretário-geral adjunto do Fórum, Manuel Amante da Rosa, não quis dizer quais foram os países a manifestar essa intenção, mas acrescentou que não são apenas países asiáticos os interessados, há também países africanos com essa vontade.