Em destaque

22 de Janeiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2217 patacas e 1.1363 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Quinta-feira)
Quinta, 26/03/2015

Terrenos revertidos, as Linhas de Acção Governativa, casos de polícia e a despedida ao fundador de Singapura, Lee Kuan Yew. São alguns dos temas que hoje é possível encontrar nas primeiras páginas da imprensa local e de Hong Kong.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun dá hoje conta dos cinco terrenos que não foram aproveitados e que, por isso, voltam a estar na posse do Governo. A área total é de 18 mil metros quadrados e são parcelas com finalidade industrial.

 

O Va Kio opta por escrever na primeira página sobre uma acção de fiscalização da PSP a um estaleiro – foram descobertos cinco trabalhadores ilegais a trabalhar na obra. O jornal publica também um texto sobre um antigo funcionário de um casino, que foi demitido, e que já depois do despedimento se fez passar por trabalhador da sala de jogo: suspeita-se que terá furtado fichas de jogo no valor de 120 mil patacas.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A emissora tem estado a falar de um caso de um estudante de uma universidade de Hong Kong que foi detido na rua, em Macau, por se suspeitar estar a traficar estupefacientes. Outro assunto na manhã informativa da Ou Mun Tin Toi: dois carros bateram no Iao Hon. Do choque resultaram três feridos ligeiros.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“Governo quer recuperar lotes associados a Pedro Chiang”, escreve o Ponto Final na manchete. O matutino dá também conta da reacção ao desaparecimento do poeta Herberto Hélder: “Com a sua morte perde-se a ‘língua dentro da própria língua’”.

 

O Jornal Tribuna de Macau puxa para manchete por uma “nova federação” que “promove ‘sinergias’ nos negócios”. Outros dois assuntos em foco: a festa da anunciação do Senhor – “Fiéis revivem tradição com duas décadas” – e cinco terrenos recuperados na Taipa.

 

“Sem parecer crítico”, lê-se nas gordas do Hoje Macau acerca do curso de Relações Comerciais China-PLP do Instituto Politécnico, sobre o qual o Fórum Macau não emitiu opinião. No destaque com fotografia, chamada para a entrevista ao escritor Francisco José Viegas, que diz que “Somos aquilo que lemos”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily ocupa metade da página com os planos da CTM em relação ao serviço 4G. Outro tema com chamada na capa é o domínio do “pessimismo” nas previsões do jogo, com a Fitch a rever em baixa o crescimento do sector em Macau.

 

O Macau Post Daily traz como assunto central da edição desta quinta-feira o anúncio feito ontem pelo comissário do Ministério dos Negócios Estrangeiros no território. Hu Zhengyue garantiu que Macau vai fazer parte do projecto da Rota da Seda Marítima do século XXI. Também na capa, a notícia dos donativos recolhidos pelo Instituto de Formação Turística para a família de um aluno que morreu num acidente de viação.

 

O Macau Daily Times publica hoje um artigo em que reproduz a opinião de académicos sobre as Linhas de Acção Governativa – os entrevistados do jornal consideram que faltam directrizes claras para o desenvolvimento. No destaque fotográfico, uma imagem da gala dos Prémios do Cinema Asiático.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post publica na capa uma imagem do veículo militar que transportou o corpo do fundador de Singapura, com o título: “Multidões enchem as ruas para prestar homenagem a Lee Kuan Yew”. Noutro destaque, a possibilidade que o antigo membro do Conselho Executivo Barry Cheung enfrenta: um caso em tribunal relacionado com dívidas a um empregado pode levar Cheung à prisão.

 

O China Daily dá espaço aos planos da China para revolucionar a indústria manufactureira nos próximos dez anos – foram revelados esta quarta-feira numa reunião do Conselho de Estado. O jornal oficial chinês escreve ainda sobre “as duas pistas que podem ajudar a esclarecer a tragédia com o avião” da Germanwings.

 

O Standard tem como tema principal da edição de hoje a despedida ao fundador de Singapura. Outro tema forte: o Chefe do Executivo de Hong Kong declarou guerra aos pró-democratas, ao pedir que, nas próximas eleições para o Conselho Legislativo, os candidatos provenientes desta ala sejam castigados pelos eleitores.