Em destaque

22 de Janeiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2217 patacas e 1.1363 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Segunda-feira)
Segunda, 23/03/2015

As Linhas de Acção Governativa, várias entrevistas de fundo, a passagem por Macau de Gabriel, o Pensador – são alguns dos assuntos em foco nas primeiras páginas da imprensa desta segunda-feira.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun destaca o facto de o Chefe do Executivo apresentar hoje as Linhas de Acção Governativa. Nota também para a colisão de dois táxis na Ponte Nobre de Carvalho, um choque que resultou em cinco feridos, e para as declarações da secretária para a Administração e Justiça: Sónia Chan diz que o novo casal de pandas deve chegar a Macau no primeiro semestre do ano e explica que não vai ser feito um concurso para a escolha dos nomes.

 

O Va Kio dá conta da reacção de Susana Wong ao pedido para o aumento das tarifas da água: a directora dos Serviços dos Assuntos Marítimos e de Água diz que o assunto tem de ser bem ponderado. O jornal também reproduz as declarações de Sónia Chan acerca dos pandas.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi tem estado esta manhã a dar conta da morte do fundador de Singapura, Lee Kwan Yew. Outro tema em foco na manhã informativa da emissora: o índice de preços no consumidor subiu em Fevereiro 5,3 por cento em relação ao mesmo mês do ano passado.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“Habitação e transportes dominam cada vez mais apelos para as LAG”, escreve o Jornal Tribuna de Macau nas gordas. O matutino publica hoje uma entrevista a Manuel Silvério, antigo presidente do Instituto do Desporto, que diz que “falta coragem e visão” para desenvolver o sector.

 

Já o Ponto Final escolhe para entrevistado da edição desta segunda-feira o cantor brasileiro que actuou no passado sábado em Macau: Gabriel, o Pensador defende que “a gente deve ter paixão pela ética, pelo que é correcto”. Noutra chamada à capa, o ambiente – “Macau tem cada vez menos dias ‘bons’”.

 

Também o Hoje Macau puxa para a primeira página por uma entrevista. Albano Martins defendeu ao jornal que “o Governo não pode estar refém de grupos”. No topo da capa, Gabriel, o Pensador, para o título: “Um rapper apaixonado pela língua portuguesa”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily escreve sobre as consequências para Macau de uma eventual subida das taxas de juro pelos Estados Unidos. Em foco também na capa, a edição para Macau e Hong Kong, em língua chinesa, do New York Times: o “Chinese Monthly” está nas bancas a 1 de Maio.

 

O Macau Post Daily dá conta das críticas do movimento Energia Cívica alo modo como os Serviços de Educação e Juventude estão a conduzir a consulta pública sobre o ensino especial. O resto da capa é dedicado à água e a Susana Wong, que diz que vai ter de ser avaliado o pedido da Macau Water para a subida de 11 por cento das tarifas.

 

O Macau Daily Times também reserva a manchete ao plano para a educação especial, “criticado por ser pouco inclusivo”. No destaque com fotografia, as comemorações em Taiwan do primeiro aniversário do movimento de ocupação do parlamento.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post explica na manchete que a Fox vai reanimar a indústria de televisão de Hong Kong, com um grande investimento para produção de séries na cidade, destinadas aos mercados asiático e internacional. Noutro destaque, os esforços do governador do Banco Popular da China, que quer que o Fundo Monetário Internacional inclua o yuan nas reservas de divisas estrangeiras.

 

O China Daily dá grande destaque ao Fórum de Desenvolvimento da China e às declarações feitas ontem pelo vice-primeiro-ministro Zhang Gaoli, que defende que a economia chinesa vai proporcionar muitas oportunidades para outros países se desenvolverem. Noutra notícia da primeira página, os estudantes chineses do ensino secundário que procuram a Austrália – o número está a aumentar.

 

Já o Standard conta que a Sun Hun Kai Properties decidiu juntar-se à Henderson Land para a construção de um centro comercial na fronteira com Shenzhen que terá como público-alvo os turistas da China Continental. Referência ainda para a deputada do Partido Cívico Claudia Mo, acusada de estar a contribuir para a diminuição do número de visitantes do Continente. Claudia Mo desafia o Chefe do Executivo C.Y. Leung a provar a acusação.