Em destaque

22 de Janeiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2217 patacas e 1.1363 dólares norte-americanos.

Tarifas de electricidade podem baixar este ano
Quarta, 18/03/2015

As tarifas da electricidade não devem sofrer alterações este ano e até podem baixar, a partir do próximo mês. A hipótese foi admitida esta tarde, pelo presidente da comissão executiva da Companhia de Electricidade de Macau (CEM), Bernie Leong.

 

“O preço global da importação não deve registar grande alteração. Vai manter-se, mais ou menos, como o actual. Outro ponto é a nossa produção. Com o mercado de petróleo a manter-se estável, e até a registar algum decréscimo comparativamente ao ano passado, esperamos manter a nossa tarifa estável ou até ter um pequeno decréscimo razoável”, disse o responsável, à margem do almoço de Primavera da CEM.

 

Bernie Leong também acredita que as mudanças no Governo podem ser benéficas para que a empresa comece a produzir mais energia em Macau, com recurso a gás natural, em vez de fuelóleo. Mas para que isso aconteça, a CEM precisa de remodelar as actuais infra-estruturas.

 

“Estamos a trabalhar na proposta a submeter ao Governo. Na altura certa, vamos anunciar. Vamos tentar na primeira metade do ano. Vamos tentar”, confia Bernie Leong, que estima um orçamento necessário de 1,7 mil milhões de patacas.

 

A utilização de gás natural para produzir energia tem como mais-valia a diminuição das emissões poluentes. Um problema registado na Central Térmica de Coloane, no início de Fevereiro.

 

Na altura, um dos gases poluentes no fumo negro emitido estava seis vezes acima dos parâmetros recomendados. Agora, Bernie Leong não fala em valores, mas admite que continuam a ser registados níveis superiores.

 

“Quero salientar que as emissões relativamente altas no início do funcionamento das turbinas são muito temporárias. Verificam-se apenas por algumas horas de operação, quando começamos a produzir. É aí que se verifica essa situação. Mas, de alguma forma, vai ser menor e, gradualmente, vai deixar de acontecer, num curto período de tempo”, garante o presidente da comissão executiva da CEM.

 

Este ano, os investimentos da empresa estão orçados em mil milhões de patacas. Bernie Leong explicou que a quantia deve ser aplicada na “rede de distribuição”.

 

Quanto ao consumo de energia, o responsável da CEM prevê um aumento de “cerca de cinco por cento”. A maior procura deve-se aos projectos em fase de construção no Cotai.

 

A importação de electricidade do Continente vai continuar a ser a principal fonte de abastecimento de Macau, em 2015. Bernie Leong adiantou que, no ano passado, 88 por cento da energia consumida era proveniente da China.