Em destaque

21 de Março 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2742 patacas e 1.1424 dólares norte-americanos.

Museu de Arte volta a apostar em França e na China para 2015
Quarta, 18/03/2015

O francês Robert Cahen e o chinês Zhou Chunya estão em destaque na programação para este ano do Museu de Arte de Macau (MAM). Tal como aconteceu nos últimos anos, é a França e à China que os responsáveis pelo MAM vão buscar as estrelas da programação.

 

De acordo com o que foi anunciado, hoje, ao todo, o MAM organiza 18 ao longo deste ano, menos oito do que as realizadas em 2014.

 

De 27 de junho a 30 de Setembro, o museu acolhe uma instalação de vídeo de Robert Cahen, um dos mais conceituados artistas de vídeo franceses.

 

Depois, de Outubro a Janeiro de 2016, o protagonismo recai sobre Zhou Chunya, pintor e escultor chinês.

 

Pelo meio, o Museu de Arte volta também a apostar na arte chinesa antiga, com a exposição de "Pintura, Caligrafia e Gravação de Sinetes das Dinastias Ming e Qing",  entre 4 de Setembro e 15 de Novembro, e a exposição "Tesouros do Museu do Palácio", dedicada à arquitectura da Cidade Proibida, que estará patente de Dezembro a Março do próximo ano.

 

Pelo meio há a tradicional "Montra de Artes de Macau", exibida durante um ano a partir deste mês de Março. Menos tempo vai ficar a exposição de Mio Pang Fei, que representa este ano Macau na Bienal de Veneza – para ver no MAM entre 9 de Maio e 22 de Novembro.

 

Ao longo de 2014, o museu recebeu 26 mostras e 360 mil visitantes, um aumento de 30 por cento face a 2013.