Em destaque

22 de Janeiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2217 patacas e 1.1363 dólares norte-americanos.

Fórum Macau: Echo Chan tomou hoje posse
Quarta, 18/03/2015

Echo Chan tomou hoje posse como coordenadora do gabinete de apoio ao secretariado permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa. A sucessora de Rita Santos aposta num trabalho de continuidade, mas reconhece a necessidade de haver um reforço na comunicação dos trabalhos do Fórum.

 

Quanto ao andamento dos trabalhos para o centro de distribuição de produtos dos países lusófonos, Echo Chan diz que é cedo para falar em datas para a entrada em funcionamento, mas garante que os preparativos estão a ser feitos.

 

O centro de distribuição de produtos lusófonos é um dos temas a abordar na próxima reunião ordinária do secretariado permanente do Fórum Macau, que se realiza no próximo dia 31 no território, altura em que vai ser lançado um portal sobre produtos do espaço lusófono.

 

“Neste momento estamos a trabalhar juntamente com o Ministério do Comércio e o secretariado do Fórum para ver a sua implementação. Sei que no futuro próximo, durante a reunião ordinária, vamos organizar uma sessão de intercâmbio entre os empresários de Macau com os países de língua portuguesa, e fazer o lançamento do portal”, afirmou.

 

O portal, que vai funcionar como uma primeira forma de divulgação dos produtos que integram o fórum, é lançado no dia 1 de Abril. Echo Chan prefere não revelar, por enquanto, grandes detalhes sobre a plataforma electrónica.

 

Em declarações à margem da tomada de posse, a antiga administradora do Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau falou sobre o início da actividade da zona de comércio livre de Guangdong. Echo Chan, que trabalhou de perto no reforço das relações com as autoridades da província vizinha, acredita que as empresas da lusofonia vão ter novas oportunidades aqui ao lado. “Acho que estes novos incentivos são uma boa oportunidade para as empresas de língua portuguesa para se desenvolverem no mercado chinês”, comentou.