Em destaque

22 de Janeiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2217 patacas e 1.1363 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Segunda-feira)
Segunda, 16/03/2015

As ideias de Li Keqiang acerca de Hong Kong e da economia da China, a morte do general Xu Caihou, uma entrevista a Peter Stilwell e a vida dos estudantes de Macau que estão em Coimbra – são alguns dos temas dos jornais desta segunda-feira.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun dá destaque à morte de Xu Caihou, o antigo número dois do Exército de Libertação Popular. Era suspeito de corrupção – as autoridades chinesas deixaram cair a acusação. Quanto à actualidade local, em foco as declarações de Wong Hong Neng, presidente da Comissão Executiva do Conselho de Consumidores, que espera que a nova lei dos consumidores possa ser feita e aprovada o mais cedo possível.

 

O mesmo tema está em destaque no Va Kio, que puxa ainda para a primeira página pela notícia sobre a nova delegação do Instituto de Habitação: fica na Taipa, no Edifício do Lago, e está em funcionamento desde o início deste mês.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A emissora esteve esta manhã a alertar para a falta de visibilidade no mar por causa do nevoeiro. Outros dois temas na manhã informativa da Ou Mun Tin Toi: os Serviços de Educação e Juventude recordam à população os termos de utilização dos talões de matrícula para os infantários; e a deputada Lei Cheng I pede ao Governo um calendário para a revisão da lei laboral.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Hoje Macau ocupa grande parte da capa com uma fotografia de uma estudante, para o título “De Macau até à Lapa”, referente a uma reportagem sobre os alunos do território que foram estudar Direito em Coimbra. No topo da primeira página, destaque para as LAG 2015, com o título “As múltiplas tarefas de Alexis”.

 

“Li Keqiang diz que postura para as regiões administrativas não muda”, escreve o Ponto Final na manchete. “Juventude dinâmica rejeita manuais de educação patriótica” e “PIB caiu 17,2 por cento” são outros temas na capa.

 

Já o Jornal Tribuna de Macau dá voz ao embaixador da China em Portugal: “Huang Songfu pede empenho na plataforma”. O matutino publica hoje uma entrevista ao reitor da Universidade de São José. “Tinha de tomar medidas necessárias e dolorosas” para “salvar a USJ”, diz Peter Stilwell.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

“Macau em recessão”, escreve o Business Daily nas gordas, a propósito dos números do Produto Interno Bruto referentes ao último trimestre do ano passado. Noutros destaques, os planos da Macau Water para a água reciclada e a chamada para uma entrevista com o responsável do restaurante Portugália em Macau.

 

Em foco no Macau Post Daily está também a descida de 0,4 por cento do Produto Interno Bruto. Referência na primeira página para a morte de Xu Caihou, o general caído em desgraça, acusado de corrupção, que agora morreu de cancro.

 

“Economia local encolhe 17 por cento no quarto trimestre”, lê-se nas paragonas do Macau Daily Times. No destaque com fotografia, uma imagem da destruição no Pacífico: “Vanuatu declara estado de emergência depois de ciclone ‘monstruoso’”.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post publica uma fotografia do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, de braços abertos – a imagem foi recolhida na conferência de imprensa que ontem se realizou em Pequim. O governante admitiu que existem dificuldades para a China atingir a meta traçada para o crescimento económico. Quanto a Hong Kong, Li Keqiang garante que os receios em relação a um maior controlo são “desnecessários”. Noutro destaque, a acusação do delegado à Assembleia Popular Nacional Bernard Chan, que entende que os conflitos entre residentes de Hong Kong e do Continente são, em parte, culpa das autoridades, que não souberam acautelar a integração.

 

O China Daily dedica a capa ao balanço das reuniões magnas de Pequim, com uma fotografia de Li Keqiang a acenar. Das ideias deixadas pelo primeiro-ministro, dois destaques: o país está “bem armado” para manter o crescimento na ordem; e são desnecessárias preocupações em relação à mudança de política para Hong Kong.

 

A garantia deixada por Li Keqiang de que Pequim não está a exercer um maior controlo em relação a Hong Kong é o tema principal do Standard, que reserva espaço também para o protesto que ontem aconteceu em Hong Kong, no dia em a sede do Governo abriu as portas ao público.