Em destaque

22 de Janeiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2217 patacas e 1.1363 dólares norte-americanos.

Joana Vasconcelos: Macau é uma nova fase na obra da artista
Sábado, 14/03/2015

Expor em Macau tem um significado especial para Joana Vasconcelos. Foi o que confessou a artista no programa Rádio Macau Entrevista. Joana Vasconcelos, que amanhã inaugura a obra “Valkyrie Octopus”, no MGM, fala de um passado de ligações familiares a Macau.

 

“Macau sempre fez parte das minhas memórias, não experienciadas por mim, mas vividas pela minha família, a tal ponto que a prenda que a minha avó me ofereceu no dia do casamento foi um buda daqui de Macau”, conta. “Sempre pensei que um dia tinha de vir a Macau, que tinha de ir ver o sítio de que ela falava. De repente, vir cá com o meu trabalho é muito emocionante. Eu, como artista, consegui vir ao mesmo sítio onde a minha avó também esteve – e eles vieram por trabalho, que o meu avô veio ser conselheiro do governador. Na vida deles fez sentido Macau, na minha também. Isso é muito interessante.”

 

Joana Vasconcelos diz mesmo que a exposição de Macau, que amanhã inaugura no MGM, marca o início de um novo período na sua obra: “Estou aqui em Macau a abrir uma nova porta dentro do meu trabalho, não só em termos de escala, como em termos de mistura de materiais e de novas experiências tecnológicas, coincidindo, aliás, com a própria cidade. Os insufláveis, as luzes, os LED, são uma coisa nova”, aponta, explicando que são experiências que vai “explorar no futuro”.

 

A artista diz-se ainda fascinada com a permanente capacidade de reinvenção que Macau revela. “Acho este lugar verdadeiramente fascinante – é como se fosse uma espécie de lugar camaleónico, em que se muda a pele, muda a cor, mudam os edifícios, muda a arquitectura. É fantástico, porque é exactamente o oposto de Lisboa, que não muda, é uma cidade que é a mesma há séculos”, nota.

 

“É um sítio em que se sente que há oportunidades para fazer coisas novas e para acontecerem coisas novas, e isso é fascinante, porque não é aquilo que se sente na maioria das cidades europeias. Aqui sente-se a contemporaneidade, sente-se a mudança, e uma pessoa sente que pode fazer parte dessa mudança”, acrescenta. “Sinto-me muito honrada por ter podido fazer um bocadinho parte dessa evolução e dessa mudança da cidade”, afirma.

 

O programa Rádio Macau Entrevista é emitido hoje ao meio-dia.