Em destaque

22 de Janeiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2217 patacas e 1.1363 dólares norte-americanos.

Larry So alerta para efeitos nefastos de aumento de impostos
Sexta, 13/03/2015

O comentador político Larry So entende ser positivo o aumento dos impostos sobre carros e motociclos mas alerta para os efeitos colaterais da medida anunciada ontem pelo secretário para os Transportes e Obras Públicas.

 

Embora, acredite em resultados positivos a médio-prazo para o trânsito, uma vez que quanto mais elevados forem os encargos menos residentes vão comprar novos veículos, o académico realça que é necessário melhorar o sistema de transportes públicos.“O Governo, por um lado, aumenta os impostos mas, por outro, não se pode esquecer do problema dos transportes públicos. Tem de resolver este problema ou pelo menos disponibilizar mais transportes públicos, para assim, as pessoas deixarem de depender tanto dos seus carros e passarem a utilizar os transportes públicos”, afirmou Larry So, em declarações à Rádio Macau, acrescentando que o “o maior problema”, nesta altura, “é o atraso na construção do metro ligeiro, o que faz com que o Executivo só possa contar com os táxis e autocarros públicos”.

 

Larry So também alerta ainda para os problemas da poluição. “Vamos com certeza ter uma percentagem de pessoas que vai escolher não comprar carros. Mas depois, claro, que há residentes que acreditam precisar mesmo de um carro e esses podem optar por carros em segunda mão, ou então vão tentar prolongar ao máximo a vida dos carros que já tenham. Deste modo, daqui a algumas décadas vamos ter outro problema que é o aumento da poluição”, argumentou Larry So. O académico defende, por isso, que “o Governo tem de, ao mesmo tempo, mudar o sistema de inspecção dos veículos, por exemplo, a cada cinco anos para os carros, ou carros com cinco anos ou mais devem ir a inspecção todos anos”.

 

O secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, afirmou ontem que Executivo pondera aumentar os impostos sobre os veículos durante este ano, para travar o crescimento “na ordem dos cinco por cento” do número de carros e motociclos, que vem sendo registado anualmente.