Em destaque

22 de Março 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2311 patacas e 1.1378 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Quarta-feira)
Quarta, 11/03/2015

Os jornais de Macau viram atenções para mais duas mortes: uma no hospital público e outra num estaleiro no COTAI. Em Hong Kong, os diários optaram por manchetes diferentes, que incluem temas como a ligação do Estado Islâmico à região autónoma de Xinjiang, os objectivos da rede social Twitter para Hong Kong e o desenvolvimento da indústria da moda.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun coloca em destaque a morte de um trabalhador de 42 anos no estaleiro da segunda fase do Galaxy, no COTAI. O jornal descreve que o homem, da China, caiu de uma altura de 12 metros quando participava na montagem de um andaime de bambu. O Ou Mun realça que este é o segundo caso fatal em estaleiros no Cotai em apenas cinco dias.

 

O Va Kio também faz manchete com o mesmo tema, sublinhando, no entanto, que o trabalhador de construção civil estava a usar o cinto de segurança na altura do acidente, só que não estava bem apertado.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

Esta manhã, a Ou Mun Tin Toi destaca esta manhã que o engenheiro Chan Hon Kit cessou a comissão de serviço como coordenador do Gabinete para o Desenvolvimento de Infra-estruturas, a partir do dia 3 de Fevereiro, por motivos de saúde, e regressou ao serviço de origem. Uma informação publicada só hoje em Boletim Oficial e assinada pelo coordenador substituto, Chau Vai Man.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

A manchete do Hoje Macau diz “uma ponte longe demais”, remetendo para a notícia de que a lei para regular o pessoal do Exército de Libertação do Povo Chinês na RAEM está a ser elaborada há nove anos. A fotografia publicada hoje é de Joana Vasconcelos – “uma peça portuguesa com certeza”.

 

O Ponto Final titula “Pequim autoriza excepções às leis nacionais”. O Governo Central vai permitir que mais municípios sejam autónomos para legislar. Delegados à APN assinalam vantagens para Macau e para a sua integração regional. Em destaque nesta edição está ainda a Zona de Livre Comércio de Guangdong que “arranca a 18 de Março”.

 

A manchete do Jornal Tribuna de Macau diz “MP investiga mais 163 transacções suspeitas” - em 2014, o Gabinete de Informação Financeira en­viou ao Ministério Público 163 processos ligados a participações de transacções suspeitas no âmbito da legis­lação contra o branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo. O título da fotografia de primeira é “serviços públicos e população competem por lugares de estacionamento”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Macau Daily Times escreve em manchete que “polícia investiga outra morte súbita no hospital público”, uma notícia que remete para o caso de uma mulher de 78 anos que foi o segundo caso mortal a envolver o Centro Hospitalar Conde de São Januário em 15 dias. O destaque fotográfico é feito com a apresentação do relógio inteligente da Apple.

 

“Governo concede licenças 4G” titula o Macau Business. O diário económico diz que “há grandes expectativas” em relação às quatro licenças atribuídas pelo Governo, uma vez que a tecnologia deve permitir aumentar a rapidez de transmissão de dados. Noutro título do Business lê-se “outra tragédia” por causa de mais um acidente mortal num estaleiro no COTAI, desta vez, da segunda fase do Galaxy.

 

O Macau Post destaca a descida de ontem das acções das operadoras de jogo na bolsa de Hong Kong e os alertas do Deutsche Bank que recomenda a venda. O diário acrescenta que outras instituições financeiras também estão pessimistas em relação a uma eventual recuperação das receitas do jogo ainda durante este ano. A fotografia na primeira do Post é de Edmund Ho, o antigo Chefe do Executivo de Macau, que presidiu ontem à reunião da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily diz em título que “Estado Islâmico recruta cidadãos de Xinjiang”. O chefe do Partido Comunista da região autónoma confirma que alguns chineses de Xinjiang saíram ilegalmente do país para se juntarem ao grupo radical. Ainda sobre essa região, de maioria muçulmana, o jornal oficial chinês publica uma fotografia de uma feira de emprego na capital, Urumqi, no domingo: “Governo pretende criar 10 milhões de postos de trabalho este ano”.

 

O South China Morning Post escreve em manchete que “Twitter planeia tornar-se uma tendência entre as empresas chinesas”. O escritório que a rede social vai abrir em Hong Kong tem como principal objectivo ligar as empresas chinesas ao mundo, apesar de o Twitter estar bloqueado na China Continental, desde 2009. O jornal diz ainda noutro título de primeira que “a campanha anti-corrupção de Xi Jinping foi inspirada pela postura branda do antecessor Hu Jintao face ao exército”.

 

O Standard diz na notícia principal que “foi dado mais um passo em direcção ao projecto que vai revitalizar a indústria da moda de Hong Kong”. As autoridades aprovaram um esquema no valor de 700 milhões de dólares de Hong Kong a ser desenvolvido pelo grupo de fomento predial Nan Fung.