Em destaque

22 de Janeiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2217 patacas e 1.1363 dólares norte-americanos.

Li Keqiang quer mais cooperação entre Macau, HK e a China
Quinta, 05/03/2015

O primeiro-ministro chinês defendeu o reforço da cooperação e intercâmbio entre Hong Kong, Macau e o Interior da China, em vários sectores. Li Keqiang, no discurso de abertura da reunião, em Pequim, da Assembleia Popular Nacional, disse acreditar firmemente que, sob o apoio da Governo Central, Macau e Hong Kong podem aumentar a competitividade para manterem a prosperidade e estabilidade a longo prazo.

 

Este ano, e ao contrário do que tinha acontecido no ano anterior, Li Keqiang defendeu a política ‘um país, dois sistemas’ para Macau e Hong Kong. O número dois do actual governo chinês afirmou que Pequim irá prosseguir com a política e que as regiões administrativas especiais gozam de um “alto grau de autonomia", em estrita conformidade com as leis básicas em vigor.

 

No seu discurso, o governante garantiu ainda o total apoio aos governos de Macau e Hong Kong e também aos Chefes do Executivo, apelando a uma governação de acordo com a Lei e à promoção da democracia, do desenvolvimento económico e da harmonia para proporcionar aos residentes uma melhor qualidade de vida.

 

Na abertura da reunião da Assembleia Popular Nacional, o discurso de Li Keqiang foi virado, sobretudo, para as questões económicas. Em 2015, segundo as estimativas apresentadas em Pequim, a China deve crescer sete por cento, o valor mais baixo em mais de uma década. A inflação deve rondar os três por cento, com Li Keqiang a prever uma taxa de desemprego em cerca de 4,5 por cento.