Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Quinta-feira)
Quinta, 29/01/2015

O debate em torno da lei de protecção dos animais e um caso de materiais contrafeitos que resultou na detenção de quatro pessoas – são temas em foco nos jornais que se publicam hoje em Macau. Em Hong Kong, a imprensa olha com atenção para as suspeitas que recaem sobre o Alibaba.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun e o Va Kio dão destaque ao mesmo tema: a detenção de quatro pessoas por venda de material de construção falsificado a uma obra no Cotai. O estabelecimento fica na zona norte da cidade e o proprietário é um homem de Hong Kong de 66 anos. Os Serviços de Alfândega apreenderam mais de mil peças falsificadas, no valor de 170 mil patacas.

 

Canal chinês da Radio Macau

 

A emissora tem estado a dar conta de uma interpelação escrita de Ng Kuok Cheong. O deputado questiona o horário de funcionamento do metro ligeiro e pede explicações ao Governo sobre o assunto. Na manhã informativa da Ou Mun Tin Toi, tem-se falado também da ameaça de morte que o presidente da Câmara de Taipé recebeu por telefone.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“À espera do doutor”, lê-se nas gordas do Hoje Macau, numa referência ao resultado da reunião de ontem da comissão da Assembleia Legislativa que está a estudar a lei de protecção dos animais – em causa está a certificação dos veterinários. Noutro destaque, a Universidade de São José: “Os passos em volta do novo regime”.

 

O Ponto Final explica na manchete que “Jornalistas questionam a autocensura alegada pela FIJ”. Em rodapé, a chamada à capa para a história de “Lau Chun, o alfarrabista que dá nova vida às histórias que alguém deitou fora”.

 

O Jornal Tribuna de Macau diz que “cada vez mais mulheres ocupam cargos de topo”. No destaque com fotografia, os táxis e a informação de que “queixas contra taxistas subiram 91 por cento em dois anos”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Macau Daily Times puxa para manchete uma notícia sobre o sector da cosmética, que regista ganhos numa altura em os produtos de luxo estão em queda. Em foco também o pedido ao primeiro-ministro Shinzo Abe feito pela da mãe do japonês feito refém pelo Estado Islâmico.

 

O Business Daily conta que a cadeia americana Hooters quer conquistar Macau, depois do sucesso obtido nos Estados Unidos e na Austrália. O jornal escreve ainda “Passe para o Continente”: a empresa Macau Pass está em negociações para a utilização do cartão em 50 cidades chinesas.

 

O Macau Post Daily dedica hoje parte da capa à proposta de lei de protecção de animais e aos esforços dos deputados para aprovar o documento em Agosto. O jornal cita ainda na primeira página um especialista que diz que a guerra contra o Estado Islâmico está agora a ser feita também no Twitter.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post puxa para a primeira página uma notícia sobre a possibilidade de o Governo de Hong Kong introduzir alterações às regras de construção na cidade – em causa estão os grandes edifícios espelhados que reflectem a luz do sol para os residentes dos prédios em redor, atrapalhando também quem vai ao volante. A manchete é sobre outro assunto: os apuros da Alibaba. O presidente Jack Ma vai ter de responder hoje a uma série de questões sobre o modo como funciona a empresa, depois de as autoridades chinesas terem feito acusações sobre a venda de bens contrafeitos através do site Taobao.

 

Este é o tema em destaque também no China Daily, mas abordado de outra perspectiva – o jornal oficial escreve que o Taobao se queixa de estar a ser tratado de forma injusta. No espaço da fotolegenda, duas fotografias da neve: a primeira mostra uma família chinesa feliz em Jiangsu; a segunda um homem junto a uma árvore partida nos Estados Unidos.

 

O Standard tem como notícia principal da edição de hoje os resultados do estudo da Heritage Foundation acerca da percepção da corrupção em Hong Kong. Apesar de continuar a ser uma das economias mais livres do mundo, a noção de que há corrupção na região aumentou entre os residentes – uma percepção para a qual terá contribuído o processo judicial do antigo secretário-chefe Rafael Hui, que aparece em destaque fotográfico.