Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

TNR: Mais de 170.300 em 2014, construção é a principal área
Segunda, 26/01/2015

Macau tinha, no final do ano passado, mais 32.500 trabalhadores não residentes do que em 2013. Os números foram hoje revelados – ao todo, o território acolhia em Dezembro 170.346 trabalhadores não residentes. A construção absorve uma parte significativa destes recursos humanos: são 45.755, um número que, em comparação com 2013 (eram pouco mais de 26 mil) revela o aumento do ritmo do sector no território, que tem para este ano agendada a abertura de grandes empreendimentos do jogo no Cotai.

 

A grande maioria dos trabalhadores não residentes vem da China Continental – são mais de 110.654. De acordo com os dados da Polícia de Segurança Pública, muitos destes cidadãos chineses trabalham precisamente no sector da construção.

 

No que diz respeito ao país de proveniência, logo a seguir estão as Filipinas – eram 21.549 no final de 2014, quase mais três mil do que no ano anterior. Metade dos membros desta comunidade tem trabalho como empregada doméstica. O mesmo acontece com os trabalhadores não residentes oriundos do Vietname (são 13.533) – 7605 estão em casas de famílias com empregadas domésticas, como descreve o Gabinete para os Recursos Humanos.

 

A lista agora revelada inclui números sobre trabalhadores que vêm de mais longe e que não obtêm residência, apenas a autorização de permanência para trabalharem. Nestas condições estão 369 norte-americanos, 329 cidadãos do Reino Unido, 277 australianos e 143 canadianos.

 

Quanto às áreas que mais trabalhadores não residentes empregam, a construção está no topo da lista, seguida de perto pelos hotéis e restaurantes, com 42.624 funcionários com blue card. Depois, vem o trabalho doméstico (21.611), e o comércio.

 

Macau tinha, em Dezembro de 2014, 72 pessoas contratadas ao exterior a trabalhar em agricultura, produção animal, caça e silvicultura.