Em destaque

22 de Março 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2311 patacas e 1.1378 dólares norte-americanos.

Governo não prevê crescimento das receitas do jogo até Junho
Sexta, 09/01/2015

As receitas do jogo não vão crescer no primeiro semestre do ano. A tendência de desaceleração no sector mantém-se até Junho, garante o secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong.

 

“Nos primeiros dois trimestres de 2014, houve um aumento na receita do sector do jogo. Mas, como agora temos um ajustamento, esperamos que a receita vai ser igual à do ano passado. Em relação ao terceiro e quarto trimestres, com os novos planos e o ajustamento, a previsão do desenvolvimento é prudente”, afirmou o governante, esta tarde.

 

Lionel Leong avisa ainda que o actual momento de quebra no aumento das recitas deve ser motivo para repensar o modelo económico de Macau. “Quer por parte dos empregados, quer por parte do sector do jogo, com certeza que vamos desenvolver [o sector] de uma forma mais saudável e a longo prazo. Por isso, este ajustamento, em termos gerais, é bom”, considerou o secretário.

 

O titular da pasta da Economia e Finanças também garante que agora a aposta deve passar por “mais formação” para os trabalhadores locais. Apesar de não ter falado sobre possíveis despedimentos no sector do jogo, Lionel Leong quer que os residentes comecem a pensar noutras áreas profissionais fora do universo dos casinos.

 

O secretário falava no final da primerio reunião do ano do Conselho Permanente de Concertação Social. Entre os temas a debater ao longo de 2015 está o aumento das contribuições para o regime de segurança social.

 

O patronato aceita a subida para 90 patacas – o dobro do valor. Mas insiste que a proporção do pagamento deve ser alterada. Actualmente, a proposta fixada pelo Governo dita que o empregador pague 60 patacas e os trabalhadores 30.

 

“Para nós, está tudo bem, até se for 100 patacas. Também estamos de acordo. Mas têm de actualizar o montante contribuído pela parte do trabalhador. Ou seja, achamos que é preciso ajustar a proporção da contribuição”, defendeu o vice-presidente da Associação Comercial de Macau, Vong Kok Seng, esta tarde.