Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Sexta-feira)
Sexta, 09/01/2015

O caso de um banco ilegal a operar na Areia Preta descoberto pelas autoridades policiais está em destaque nas edições dos jornais desta sexta-feira. Também o atentado terrorista na publicação francesa Charlie Hebdo merece espaço nos matutinos disponíveis no território.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

Há um tema comum às primeiras páginas dos dois principais jornais do território: o Ou Mun e o Va Kio escrevem hoje sobre o caso ontem anunciado pela Polícia Judiciária e pela Autoridade Monetária de Macau, que descobriram um banco ilegal a operar na cidade. O Ou Mun destaca que as autoridades apreenderam 160 mil patacas em dinheiro; já o Va Kio faz referência ao facto de terem sido detidos dois indivíduos da China Continental e explica que 15 residentes de Macau tinham aberto contas neste banco ilegal.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A emissora tem estado esta manhã a dar conta do caso do banco ilegal. Na manhã informativa da Ou Mun Tin Toi, em foco também o julgamento de Jaycee Chan, o filho de Jackie Chan. Está a ser julgado em Pequim por crimes de droga e as notícias que chegam da capital indicam que o arguido assumiu os delitos.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“Lei Chan Tong deixa liderança do GIT”, avança hoje o Jornal Tribuna de Macau na manchete. O jornal conta ainda que “PJ alerta jovens para ‘armadilhas’ na Internet” e que “confiança na economia está em queda e habitação regista os piores valores”.

 

O Ponto Final publica hoje uma entrevista a Rita Santos, que está de saída do Fórum Macau. “O fundo tem de começar a olhar para os empresários de Macau”, defende. Referência também para a violência doméstica: “Associação Arco-Íris pede encontro com deputados”.

 

O Hoje Macau ocupa a capa com duas palavras – “Somos Charlie” –, a mensagem de reacção ao ataque terrorista desta semana na publicação francesa Charlie Hebdo. Na imagem, uma ilustração, vê-se um lápis partido ao meio sobre um fundo vermelho e preto.

 

Porque hoje é sexta-feira, há O Clarim, que escreve nas parangonas “Contra todos os tipos de escravatura”, a propósito da mensagem do Dia Mundial da Paz. No destaque fotográfico, Francisco e a recepção à Cúria Romana: “Desvendadas as palavras do Papa”.

 

“Águas de Macau + integração + autonomia”, lê-se no Plataforma Macau, que explica que a região vai passar, pela primeira vez na sua história, a ser “dona” das suas águas. No topo da capa, a fotografia de Eco Chan, com o título “centros lusófonos para já só online”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily dá hoje grande destaque aos preços de venda dos parques de estacionamento em Macau. Na capa, espaço para a descoberta de um banco ilegal a operar na Areia Preta e para o incêndio que ontem deflagrou na segunda fase do empreendimento da Galaxy no Cotai.

 

Na primeira página do Macau Daily Times, uma fotografia do incêndio de ontem nas obras da Galaxy – no título destaca-se que seis mil trabalhadores foram retirados do local. O jornal chama ainda à capa o estudo mais recente sobre a confiança dos consumidores na economia local.

 

O Macau Post Daily ocupa grande parte da primeira página com o caso do banco ilegal que operava na Areia Preta. O jornal refere ainda que “o Charlie Hebdo sai para as bancas na próxima semana apesar do banho de sangue”.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post escreve nas gordas que “há um aumento da tensão em França depois de ataque terrorista”. Na fotolegenda da capa, uma imagem de jornalistas concentrados à porta do Foreign Correspondents’ Club em Hong Kong, a segurarem papéis onde se lê “Je suis Charlie”. Noutro assunto chamado à capa, o aviso deixado por um dirigente de Pequim aos políticos da região vizinha: diz Chen Zuoer que “o interesse nacional deve ser tido em consideração na definição das políticas escolares”.

 

O Standard escolhe para notícia principal da edição de hoje o anúncio do despedimento de quatro mil funcionários do Standard Chartered – dois mil já foram dispensados nos últimos meses e agora seguem-se outros tantos.

 

À semelhança do South China, também o China Daily reserva a imagem da capa para a situação em França e escreve que o país teme um novo ataque. Na manchete, os planos de Xi Jinping em relação ao investimento na América Latina: o Presidente quer reforçar a presença chinesa nesta zona do mundo.