Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Alexis Tam vai dar “pelo menos um ano” a Lei Chin Ion
Segunda, 05/01/2015

O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam, não diz o que vai acontecer se dentro de um ano os Serviços de Saúde de Macau não registarem melhorias significativas. Hoje de manhã, numa visita ao Centro Hospitalar Conde de São Januário, o governante reconheceu que a saúde tem muitas falhas. Já durante a tarde, à margem do Conselho para os Assuntos Médicos, mostrou ter confiança na equipa em que, para já, não vai mexer.

 

Alexis Tam reitera que houve problemas de gestão, mas mostra-se disponível para ajudar. “Já conheço este pessoal, o director do hospital e o director dos Serviços de Saúde. Penso que têm dificuldades. Se calhar não conseguiram gerir a casa, mas agora é diferente, porque nós conhecemos bem este sistema e também temos pessoal.”

 

A saúde tem sido das áreas que mais críticas recebe da população. O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura concorda que não é aceitável esperar nove meses por uma consulta, a queixa que com mais frequência se ouve, mas afasta o cepticismo, bem como as perguntas insistentes dos jornalistas em torno das capacidades de pessoas que estão em cargos de responsabilidade desde a transferência de administração.

 

“Parece que querem despachar este pessoal. Por enquanto não faço isso. Vou deixar algum tempo, pelo menos um ano. Vou ajudá-los para aperfeiçoar este sistema”, vinca.

 

O secretário mostra-se confiante de que a saúde vai melhorar em breve e explica que a confiança vem da responsabilidade. “Nós temos determinação, temos de melhorar, isso é o meu trabalho, é a minha responsabilidade”, salienta Tam que, quando foi apresentado como secretário, disse logo que a saúde é uma prioridade.

 

Quanto a Lei Chin Ion, o director dos Serviços de Saúde diz não pensar no que pode acontecer depois do prazo dado pelo secretário para que sejam feitas melhorias na saúde, sendo que prefere pensar no que tem agora para fazer.

 

“Agora o nosso pensamento é tentar fazer o melhor, concretizar o planeamento definido pelo secretário”, declarou, fazendo alusão ao recrutamento de pessoal médico e da “construção de um sistema de saúde”. Lei Chin Ion promete ainda “acelerar o ritmo”. “Não pensei em mais coisas”, afirmou, em resposta ao que fará caso não consiga corresponder às expectativas de Alexis Tam. Recorde-se que, há alguns anos, Lei Chin Ion reconheceu que não tinha sabido prever o crescimento de Macau, numa altura em que foi muito criticado por não terem sido formados novos internos.