Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Académico: “Enquanto usarmos energia haverá poluição”
Quinta, 27/11/2014

Os carros eléctricos podem não representar uma solução para os problemas de poluição no território, considera Mok Kai Meng, investigador da Universidade de Macau. O académico, especialista em questões do ambiente, observa que, mesmo com a introdução de mais veículos movidos a baterias, será sempre preciso gerar energia, o que também provoca poluição.

 

Em declarações à Rádio Macau, Mok Kai Meng afirmou que “as pessoas referem muitas vezes os carros eléctricos, que se tivéssemos esses veículos a circular não haveria um determinado tipo de emissões poluentes, mas ao mesmo tempo é preciso gerar energia para fazer esses carros funcionarem”.

 

Segundo o investigador, usando carros eléctricos em vez de veículos movidos a combustíveis fósseis significa que “estamos apenas a mudar a fonte de poluição”, pois “enquanto usarmos energia, a poluição vai estar em algum lado”.

 

A questão que se coloca, refere, é “como é que vamos lidar com isso”, uma vez que “temos também que nos preocupar com as baterias usadas. O que vamos fazer com esses resíduos sólidos? Acho que antes de avançarmos nessa direcção, temos que pensar em tudo. Não é um problema fácil de resolver, especialmente tendo em conta que Macau é um território tão pequeno”.

 

Ainda que Mok Kai Meng questione o impacto dos carros eléctricos na diminuição da poluição, o académico da Universidade de Macau aponta os veículos como a grande fonte da poluição em Macau: “Em termos locais, os veículos são uma grande fonte de poluição. Claro que há outros factores isolados, como as centrais geradoras de energia. Mas as fontes que realmente espalham a poluição pela cidade, já que não temos indústrias, são os veículos, obviamente”.

 

De acordo com os dados mais recentes dos Serviços de Estatísticas e Censos, nos primeiros nove meses do ano, circulavam nas estradas de Macau 236.334 veículos, número que representa um aumento anual de cinco por cento. Mais de metade, 52 por cento, eram motociclos.