Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Académicos defendem modelo mais eficiente de prever poluição
Quinta, 27/11/2014

Um projecto de investigação que propõe um modelo considerado mais eficiente para prever a concentração de poluentes na atmosfera foi apresentado, hoje, no Fundo para o Desenvolvimento das Ciências e Tecnologia, por dois académicos da Universidade de Macau.

 

Durante quatro anos, entre 2006 e 2009, Mok Kai Meng e Yuen Ka Veng mediram os níveis de concentração de ozono troposférico, ou seja, que está em contacto com a superfície terrestre e que é libertado, sobretudo, pelos escapes dos automóveis.

 

Os dois investigadores chegaram à conclusão que há padrões sazonais ao longo do ano, com as maiores concentrações a verificarem-se no Verão, entre Maio e Setembro, e também no Outono, em Outubro, enquanto os níveis menores se registam no Inverno, entre Novembro e Fevereiro, e ainda na Primavera, de Março a Abril. Os académicos concluem que há épocas distintas que requerem diferentes modelos de previsão da concentração dos níveis de ozono.

 

Em declarações à Rádio Macau, Mok Kai Meng alertou para a necessidade de modelos de análise dinâmicos, mais eficientes, sobretudo tendo em conta o aumento da poluição: “Nos últimos anos, têm aumentado os dias em que se verificam níveis de poluição que não respeitam os padrões definidos pelas autoridades. Nessa perspectiva, temos que prestar atenção à qualidade do ar. Em Macau, os principais problemas devem-se a dois poluentes: o ozono troposférico, com altas concentrações no Verão, afectando mais as pessoas, enquanto no Inverno as partículas em suspensão são um motivo de preocupação”.

 

Mas no estudo sobre a poluição em Macau, o investigador nota outros desafios: “Não podemos culpar os outros, mas também não podemos culpar-nos a nós próprios. Por vezes, há factores locais, noutras vezes são regionais. Depende das condições ambientais da época. Para melhorar, temos que pensar não apenas em termos locais, mas também em termos de um esforço regional. Todos têm que trabalhar em conjunto”.