Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Simulação de cimeira da UE envolve mais de 50 alunos
Sábado, 22/11/2014

Mais de cinco dezenas de estudantes universitários participam, este fim-de-semana, em Macau, na simulação de uma cimeira de chefes de Estado e de governo da União Europeia. A iniciativa é do Programa Académico da União Europeia para Macau, que organiza o evento pela segunda vez no território.

 

Em declarações à Rádio Macau, Rui Flores, gestor executivo do programa, explicou que o objectivo dos dois dias de debate é alcançar uma posição de consenso: “No fundo, é uma simulação de um Conselho Europeu – neste caso, uma cimeira de chefes de Estado e de governo –, que é o órgão da União Europeia que decide as questões estratégicas, nomeadamente de política externa”.

 

Nesta simulação participam 56 estudantes de licenciatura e mestrado da Universidade de Macau, da Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau, do Instituto Politécnico de Macau, da Universidade de São José, do Instituto de Formação Turística e, ainda, da Universidade da Cidade de Macau. São alunos que frequentam cursos que vão desde Marketing a Estudos Europeus, passando também por cursos relacionados com Tradução ou Gestão de Eventos, e que vão dividir-se em duas equipas e desempenhar o papel de representantes dos 28 países da União Europeia. “Vão discutir, no primeiro dia [hoje], a situação da Ucrânia e qual deveria ser a posição da União Europeia sobre a crise no país, depois da invasão da Crimeia por parte da Rússia”, adiantou Rui Flores, explicando que o tema a ser discutido, no segundo dia, é “surpresa”.

 

A intervenção dos estudantes vai ser avaliada por um júri que, depois, selecciona os seis melhores – os vencedores ganham o direito a participar na visita de estudo gratuita à Europa, organizada anualmente pelo Programa Académico da União Europeia para Macau. Entre os critérios de avaliação, explicou o gestor executivo do programa, estão “a argumentação, o conhecimento das posições oficiais destes países e a capacidade de convencer os outros representantes da validade das suas propostas”.

 

Lançado em 2012, o Programa Académico da União Europeia para Macau é uma parceria entre a Universidade de Macau, o Instituto de Estudos Europeus de Macau e a União Europeia, co-financiado pela União Europeia. Entre as actividades desenvolvidas até agora estão iniciativas como a Escola de Verão – destinada a alunos do ensino secundário –, conferências, e intercâmbio de professores e alunos.

 

Para o próximo mês, adianta Rui Flores, está prevista outra iniciativa, em cooperação com o departamento de comunicação social da Universidade de Macau, que consiste num “desafio” aos estudantes desta área para realizarem “curtas-metragens sobre a União Europeia”. O tema, adianta, “é livre”, o produto final “pode ser de ficção ou um documentário”, desde que sobre “uma temática relacionada com a União Europeia.”