Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 18/11/2014

Educação, aumentos de salários no sector da PME’s e políticas culturais são alguns dos temas em foco nos jornais de Macau. Já a imprensa de Hong Kong centra as atenções nas Bolsas de Hong Kong e de Xangai que, desde ontem, operam interligadas por uma plataforma de negociação.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

O Ou Mun puxa para grande destaque o preço do imobiliário que caiu dez por cento entre Julho e Setembro, de acordo com as estatísticas oficiais.

 

O Va Kio conta hoje que dois homens enganaram uma mulher que trabalhava num casino, num balcão de troca de dinheiro. Estão envolvidos milhares de dólares.

 

Canal Chinês da Rádio Macau

A Ou Mun Tin Toi conta que dois franceses, residentes de Macau, foram detidos por alegado envolvimento no incêndio deste fim-de-semana na zona de S. Lourenço. Os homens terão ateado fogo a um sofá que estava à entrada de uma construção.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

“Gestão das escolas privadas decidida por proprietários” titula o Ponto Final. Segundo o diário, a consulta pública ao estatuto das escolas privadas teve opiniões no sentido de uma gestão educativa mais autónoma e participada. O Governo, porém, indica que os conselhos de administração vão continuar a depender dos donos dos estabelecimentos. Noutra chamada de capa lê-se “Macau na Casa dos Estudantes do Império” – “Mais de 40 estudantes de Macau ajudaram a fazer a história da casa criada por Salazar para assegurar a sobrevivência do império português.”

 

O Hoje Macau escreve em manchete “O que é local é bom” a propósito de uma entrevista a James Chu, artista e curador da Art For All Society. Chu defende uma política cultural mais activa com melhor distribuição de dinheiros públicos. O jornal escreve ainda na primeira que Susana Chou sublinha ser importante “conhecer a História para saber governar” – são conselhos aos novos secretários e altos cargos. Ainda em foco José María López, campeão do mundo de Carros de Turismo, “ o sucessor de Fangio”.

 

O Jornal Tribuna de Macau avança “PME’s dispostas a subir salários até dez por cento”. Segundo o jornal, “os responsáveis das associações das pequenas e médias empresas de Macau prevêem que o sector deverá aumentar os salários dos seus trabalhadores entre cinco a dez por cento no próximo ano, uma forma de evitar a perda de recursos humanos”. Em foco ainda a “Ligação bolsista [entre Hong Kong e Xangai] com impacto leve na RAEM”. Noutra chamada de capa lê-se “Turismo de iates com Zhongshan a partir de 2015”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

O Business Daily aborda hoje a ameaça sobre o saldo das contas públicas. A maioria das receitas do Governo – 80 por cento – é proveniente do sector do jogo, que tem vindo a mostrar sinais de enfraquecimento. Segundo os dados avançados pelos Serviços de Finanças, entre Janeiro e Outubro, as despesas cresceram três vezes mais do que as receitas. Ainda o sistema de conexão entre as bolsas de Hong Kong e Xangai que entrou, ontem, em funcionamento. A registar, no entanto, a maior queda em três semanas na Bolsa de Hong Kong.

 

O Macau Daily Times puxa para grande destaque mais uma história que envolve residentes e taxistas. O jornal conta que uma residente foi perseguida por um taxista. Ainda em foco as estatísticas oficiais que dão conta de uma queda de dez por cento no preço médio da habitação entre Julho e Setembro.

 

O Macau Post Daily adianta na primeira página que a “polícia identificou vítimas do incêndio fatal numa loja”. O matutino escreve que seis emigrantes viviam na loja. O jornal conta ainda que o director de uma escola de jornalismo, numa das maiores universidades de França, é acusado de plágio.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

Na primeira do South China Morning Post o grande destaque vai para a ligação entre as bolsas de Hong Kong e Xangai. A pressa dos investidores na China causa preocupação sobre se a quota de transacções será suficiente para responder à procura. Em foco ainda o acordo de comércio livre entre a China e a Austrália.

 

O Standard puxa também para destaque as bolsas de Hong Kong e de Xangai que desde ontem operaram interligadas por uma plataforma de negociação. O jornal centra as atenções nas reacções dos investidores.

 

As bolsas são também o tema em foco na primeira do China Daily, que sublinha que as bolsas unem duas cidades. O matutino dá ainda conta da execução da ordem do tribunal de Hong Kong para remover as barricadas do Occupy junto à Citic Tower.