Em destaque

21 de Março 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2742 patacas e 1.1424 dólares norte-americanos.

Novo Macau: Falta firmeza no combate à corrupção eleitoral
Quinta, 13/11/2014

A Associação Novo Macau considera que o Governo “não mostrou determinação em evitar e combater a corrupção nas últimas eleições” para a Assembleia Legislativa. É o que consta de uma carta deixada hoje na sede do Governo e na qual a associação pede que seja divulgado o relatório sobre as eleições do ano passado. Um acto eleitoral marcado por várias ilegalidades, garante a associação pró-democracia.

 

Na carta dirigida à secretária para a Administração e Justiça, a Novo Macau acusa o Governo de “tolerar eleições corruptas”. Em comunicado, a associação refere que verificou várias ilegalidades, incluindo escolas que não permitiram acções de campanha a todas as listas e associações que distribuíram prendas, dinheiro e almoços grátis, no dia das eleições.

 

A Novo Macau pede que “se estabeleça uma comissão eleitoral permanente”, que se acabe com as “lacunas” na lei eleitoral e que se “aumente o valor das multas no caso de campanhas eleitorais feitas antes do período permitido”. A Novo Macau quer também que se proíbam as viagens gratuitas de autocarro até às assembleias de voto e sugere ainda que deve haver incentivos para as pessoas denunciarem casos de corrupção. Outra proposta apresentada vai no sentido de tornar obrigatória a divulgação das ligações dos candidatos a associações.

 

Os representantes da Novo Macau querem ainda que o relatório sobre as eleições de 2013 seja tornado público, algo que os Serviços de Administração e Função Pública já fizeram saber, em Julho, que não iria acontecer – numa resposta ao jornal Hoje Macau, os serviços dirigidos por José Chu explicaram que o relatório das eleições é um documento interno.