Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Revista de imprensa de Macau e Hong Kong (Quarta-feira)
Quarta, 05/11/2014

A confusão em torno do serviço de rádiotáxi, a primeira entrevista a Jaime Carion depois de ter deixado as Obras Públicas, a queda contínua das receitas do jogo e o impasse político em Hong Kong. Estes são alguns dos temas dos jornais desta quarta-feira.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun puxa para a primeira página as notícias mais recentes sobre os táxis e a promessa feita pelo Governo. Depois de cancelar o contrato com os táxis amarelos, a Administração vem agora dizer que os táxis pretos vão ajudar no rádiotáxi, ao serem destacadas 700 viaturas para este serviço.

 

No Va Kio estão em foco as declarações do director substituto dos Serviços de Regulação de Telecomunicações. Hoi Chi Leong diz que ainda não há um calendário para que possa avançar o concurso para as licenças do “triple play”, o serviço que junta televisão, telefone e Internet.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

Esta manha a Ou Mun Tin Toi tem estado a dar destaque ao Exército Popular de Libertação: cerca de 1500 militares da guarnição de Macau participaram numa campanha de doação de sangue.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“Sempre acreditei na bondade de Ao Man Long”, lê-se na capa do Hoje Macau, que publica a primeira entrevista a Jaime Carion desde que o ex-director dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes decidiu aposentar-se. Noutra chamada à capa, o serviço de rádiotáxis: “Falta de alternativas gera temores”.

 

Os táxis também estão na primeira página do Ponto Final, que escreve nas gordas “Licenças de rádiotáxi distribuídas por duas associações”. Referência ainda ao Festival Fringe: “Folk chinês junto a Nam Van”.

 

“Centrais dos táxis pretos são solução ‘temporária’”, esclarece o Jornal Tribuna de Macau. O tema forte da edição desta quarta-feira é, no entanto, outro: “Despesa com educação é das mais baixas da Ásia”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

“Cruzada contra a corrupção abala as receitas e as acções dos casinos”, escreve o Macau Daily Times na manchete. No destaque com fotografia, o jornal chama uma reportagem sobre o cinema local: os realizadores que cá vivem beneficiam do erário público.

 

O Business Daily opta por chamar à capa a queda das receitas nos casinos, ao explicar que é o quinto mês consecutivo em que tal acontece. Nota também para as diferenças cada vez maiores entre residentes e não residentes no que toca aos salários praticados na construção civil.

 

O Macau Post Daily reserva parte significativa da primeira página para a iniciativa lançada por um grupo que quer apoiar as pessoas portadoras de deficiências. Espaço ainda para um inquérito feito em Hong Kong que indica que a maioria dos residentes quer o fim do Occupy.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post puxa para manchete por um tema de Macau: “Casinos atingidos por uma tempestade”, escreve o jornal nas gordas. Na fotografia da capa, a poluição atmosférica causada por uma fábrica na província de Jilin – a imagem acompanha um texto sobre “os custos mortais da dependência da China no carvão”.

 

Já o China Daily opta por destacar a empreitada que a China conseguiu no México: uma empresa do Continente vai construir a primeira linha férrea de alta velocidade da América Latina. Em foco também a situação política em Hong Kong. O jornal oficial diz que “pesquisa demonstra que a maioria quer o fim do ‘Occupy’”.

 

O Standard tem como notícia principal da edição de hoje a detenção de adolescentes que são acusados de vender marijuana à porta de estabelecimentos escolares – as detenções foram feitas no dia do desporto. Outro tema em destaque: o caso de duas residentes de Hong Kong detidas em Taiwan por furto, que regressaram ontem ao território.