Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Raymond Tam: Pasta de Ng Peng In com documentos originais
Sexta, 30/05/2014

Na sessão de hoje do julgamento que tem Raymond Tam, o antigo presidente do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM),  como principal arguido foi analisada uma pasta que pertencia a Ng Peng In, antigo administrador do IACM, e hoje assessor de Cheong U. Raymond Tam e outros três arguidos são acusados de prevaricação, pela demora na entrega de documentos relacionados com as dez campas.   

 

A testemunha hoje ouvida foi Lídia Santos, assessora do Conselho de Administração do IACM, e que fez o indíce dos documentos constantes na pasta de Ng Peng In. Uma pasta que não se sabia ao certo onde estava. Hoje Lídia Santos confirmou em tribunal, pela análise de documentos, que havia originais na pasta, em cuja lombada constava a informação “10 campas perpétuas”.

 

Esta pasta, afirmou ainda Lídia Santos, não chegou a ser entregue nos Serviços de Ambiente e Licenciamento (SAL), a pedido de Ng Peng In,  porque, e segundo consta num documento lido pela testemunha, “os SAL) têm em seu poder a respectiva documentação”. Mas a defesa continua a argumentar que os originais não estavam nos SAL antes na pasta de Ng Peng In.

 

Lídia Santos diz que, depois que soube que ia ser testemunha neste processo, tentou procurar a pasta em causa e que essa mesma  pasta foi encontrada num armário, fechado à chave, no gabinete da actual administradora, que sucedeu a Ng Peng Ing. Lídia Santos lembrou ainda que, quando chegou ao cargo que hoje ocupa, em 2010, digitalizou todos os documentos das oitos pastas da Ng Peng In. Os documentos informatizados estavam num aparelho no cofre do gabinete da também administradora do IACM. Algo que Lídia Santos sabia, mas nunca disse nada porque ninguém lhe perguntou. Além disso, justificou, pensava que no processo das campas o que estava em causa era a demora na entrega de documentos e nunca soube que faltavam documentos.

 

Lídia Santos admitiu ainda que desde 2002, e ainda na antiga Câmara Provisória das Ilhas, trabalhava com Ng Peng In.

 

A próxima sessão do julgamento está marcada para 4 de Junho.