Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Jason Chao acusa Chui de fugir às responsabilidades
Segunda, 26/05/2014

Jason Chao diz que Chui Sai On está a “lavar as mãos” da responsabilidade ao deixar que três deputados e membros do Conselho Executivo tomem a iniciativa de pedir à Assembleia Legislativa uma reavaliação do regime de garantias para os titulares dos principais cargos. Os deputados e membros do Conselho Executivo Leonel Alves, Chan Meng Kam e Cheang Chi Keong apresentaram, ontem, ao presidente da Assembleia Legislativa um pedido de reanálise na especialidade do diploma que prevê garantias para titulares dos principais cargos políticos. O pedido será votado na terça-feira em plenário antes de ser colocada à discussão e votação na especialidade a própria proposta de lei do regime de garantias.

 

Em declarações à Rádio Macau, o líder da organização Consciência Macau defende que o Chefe do Executivo deveria usar a autoridade que tem: “Usaram as funções destas três pessoas como deputados e membros do Conselho Executivo para trabalhar esta proposta de lei. Neste caso, Chui Sai On está a lavar as mãos. Isso é muito perceptível. A proposta de lei foi apoiada pelo Chefe do Executivo que tem a autoridade de alterar ou retirar o diploma. Porque é que o Governo, enquanto poder executivo, não alterou ou retirou a proposta? Esta é uma forma menor de gerir um governo, porque não se descarta as responsabilidades para a Assembleia Legislativa".

 

O líder da Consciência Macau pediu um encontro ao Chefe do Executivo, mas a audiência foi negada.

 

Depois da manifestação deste domingo contra o regime de garantias, a organização tem agora agendado para terça-feira um novo protesto a partir das 14h30 junto à Assembleia Legislativa, onde é esperada a votação na especialidade do diploma da polémica. Jason Chao acredita que a questão vai ser adiada, mas não resolvida: “Julgamos que vai haver apenas um adiamento, em vez de uma retirada. A Consciência Macau não aceita isso. Queremos que o Governo retire a proposta de lei porque apenas o Governo tem essa autoridade de alterar a proposta ou retirá-la".