Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 20/05/2014

Em destaque nos jornais portugueses está Jorge Fão, uma das individualidades medalhadas pelo Presidente de Portugal, Cavaco Silva, e ainda o IPOR, que volta a coordenar a rede externa do ensino da língua de Camões na Ásia. Os matutinos chineses de Macau viram atenções para o novo salvo-conduto eléctrónico de passagem nas fronteiras e as notas alusivas ao Ano do Cavalo. Em Hong Kong, os diários continuam a acompanhar os motins anti-China no Vietname.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun diz que “a carne de porco vendida num dos supermercados de Macau é mais barata do que nos mercados”. O supermercado ainda consegue “pequenos lucros”, com o preço mais baixo. O jornal destaca ainda a data para a aquisição das notas alusivas ao Ano do Cavalo, a inscrição pode ser feita pela internet no próximo mês, prevendo-se que a compra seja possível em Outubro. O Ou Mun avança ainda que a partir de hoje começa a ser utilizado de modo experimental, na província de Guangdong, o salvo-conduto electrónico de dupla viagem – isto é, um documento de ida e volta da China para Macau e Hong Kong. 

 

O Va Kio também dá destaque ao salvo conduto para as passagens electrónicas nas fronteiras, um documento, sublinha o diário, que “pode elevar a eficácia” e “reforçar a prevenção contra a falsificação”. O matutino lembra ainda que hoje é o último dia para apresentação de candidaturas aos lugares para a Comissão Eleitoral que elege o Chefe do Executivo. Ainda na primeira do Va Kio, o apelo do Gabinete de Gestão de Crises do Turismo, que aconselha os residentes a adiarem os planos de viagem para o Vietname, na sequência dos motins anti-China.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi diz que diz que o presidente do Fundo de Segurança Social, Ip Peng Kin, quer que os residentes apresentem mais opiniões sobre o Regime de Previdência Central não obrigatório.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

O Jornal Tribuna de Macau sai hoje com uma capa de felicitações. No interior, a manchete diz “UE descarta pressionar RAEM para o sufrágio universal”. Embora defenda a introdução do sufrágio universal, a União Europeia não pretende exercer qualquer pressão sobre as autoridades locais e o chefe da Delegação da União Europeia garante que as instituições europeias olham para o processo de reforma política como um assunto “soberano” de Pequim e Macau. No destaque fotográfico o IPOR, que “’centraliza’ ensino do Português na Ásia”.

 

O Hoje Macau dedica quase toda a primeira página a Jorge Fão, que afirma: “a crítica faz bem à saúde”. Noutro título, o jornal diz que “IPOR Macau recupera controlo do ensino luso na Ásia”. Noutras chamadas, lê-se: “poluição – chegam novas regras a Ká Hó” e “velho campus da UM já tem candidato: a Universidade Cidade de Macau”.

 

No Ponto Final está também grande plano Jorge Fão, que passa em revista os tempos de sindicalista em que “não era do agrado de ninguém” para explicar a surpresa com a condecoração de Cavaco Silva. O título é: “viram que sou bom português”. Outro título é feito com o ambiente: “Governo avança com novas regras para emissões industriais” e, no futuro, a cimenteira de Ka Ho poderá obedecer a novos limites de poluição atmosférica permitida.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O título do Business Daily diz: “expansão dos empréstimos para instalações comerciais”. O diário económico sublinha que a bolha imobiliária se estendeu da habitação para o segmento comercial. Em 12 meses, os preços dos escritórios aumentaram 80 por cento. O jornal chama ainda à atenção com destaque de primeira página para as ilegalidades nos anúncios em outdoors, muitas vezes por causa da desactualização das leis.

 

“Barcos retiram chineses do Vietname depois de motins”, é a manchete do Macau Daily Times. O jornal, na primeira, faz ainda referência a uma entrevista com Selina Lo, a directora-executiva da empresa Ruckus Wireless. Em destaque está a afirmação de Selina Lo de que “os verdadeiros líderes não têm receio de se desviarem da rota planeada, se necessário”. Numa das chamadas lê-se que autoridades de Macau “colocam em prática esforços para travar a poluição em Ka Ho”.

 

O mesmo assunto está em grande destaque no Macau Post Daily que escreve que o Director dos Serviços Ambientais “pondera regular as operações na empresa de cimento”. Cheong Sio Kei colocou a hipótese, como parte das medidas do Governo para travar a poluição em Ka Ho, avançando ainda que um importante regulamento administrativo está já a ser analisado pelo Conselho Executivo.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O China Daily escreve, em manchete, que “relatório demonstra aumento da imigração para a China”. Entre 2000 e 2010, a subida foi de 35 por cento. O jornal acrescenta que as autoridades do país estão a pedir a ajuda à comunidade internacional para lidar com a tendência. A fotografia mostra ainda oficiais da marinha chinesa a deixarem um cruzeiro de mísseis russo, num porto de Xangai, antes do início de exercícios militares conjuntos.

 

O título do The Standard é “enorme crise de empregos a pairar”, por causa da previsão do Governo de que em 2022, Hong Kong vai enfrentar um excesso de graduados.

 

“Lágrimas de presidente” escreve o South China Morning Post, a propósito do emotivo pedido de desculpas da chefe de Estado da Coreia do Sul. Na televisão, Geun-hye chorou, enquanto assumia responsabilidades pelo desastre do ferry, no mês passado, que matou mais de 300 pessoas - a maioria alunos, que iam numa viagem de estudo. Noutro título, sobre os protestos anti-China no Vietname, lê-se que “revoltosos tiveram como alvos maioritariamente empresas erradas”: apenas 14, de mais de 350 fábricas saqueadas, pertencem a cidadãos da China.