Em destaque

21 de Março 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2742 patacas e 1.1424 dólares norte-americanos.

Sucessora da Reolian escolhida sem concurso público
Quarta, 07/05/2014

O Governo decidiu pela dispensa da realização de concurso público para atribuição da concessão do serviço público de transportes colectivos rodoviários de passageiros das secções da Reolian, declarada falida a 4 de Dezembro de 2013. A decisão é hoje dada a conhecer em Boletim Oficial, num despacho do Chefe do Executivo.

 

Em comunicado, a Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT) já veio justificar a decisão, lembrando que “um novo concurso público dura cerca de nove meses a um ano, e o contrato de locação da empresa vai terminar muito em breve” – 30 de Maio. Lê-se ainda no comunicado que “dada a urgência de que se reveste o processo de concessão, para garantir o normal e continuado funcionamento do serviço público de transportes colectivos rodoviários de passageiros, e atendendo à especialidade da exploração do serviço de transportes públicos, é necessário que exista uma entidade com adequada capacidade de exploração para continuar as operações”.

 

Assim sendo, entende o Governo, “há que proceder à concessão, com a maior brevidade possível, por ajuste directo, do serviço público de transportes colectivos rodoviários de passageiros – secção II e secção V, a fim de salvaguardar o interesse da população em geral”.

 

No mesmo comunicado, os serviços liderados por Wong Wang asseguram que o Governo se tem empenhado em seguir as recomendações apresentadas pelo Comissariado Contra a Corrupção  (CCAC) no que respeita ao contrato de serviços dos autocarros.

 

A DSAT admite que houve vários interessados nas rotas da Reolian, mas o Governo está apenas a negociar a possibilidade de concessão com um investidor local. Em comunicado a DSAT omite o nome desse investidor, dizendo apenas que tem experiência na área.

 

De recordar que se tem falado na possibilidade de a Transmac poder ficar com as rotas exploradas pela empresa falida, mas até agora o secretário Lau Si Io não confirmou nem desmentiu.