Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

“Património de Origem Portuguesa” em exposição no IACM
Sexta, 29/07/2011
Inaugura hoje às 18h30, na Galeria de Exposições Temporárias do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais a mostra “O Património Histórico de Origem Portuguesa no Mundo”, que apresenta o trabalho da Fundação Gulbenkian na reabilitação do património histórico, artístico e documental de origem ou de influência portuguesa em diversos países da Europa, África, Ásia e América do Sul.

Depois de ter passado por Banguecoque e por Jacarta, Macau é o novo destino da exposição que se integra na celebração dos 500 anos de relações de Portugal com a Ásia.

A inauguração conta com a presença do presidente da Fundação Gulbenkian, Rui Vilar, que em declarações à Rádio Macau elogiou o estado da preservação do património histórico de Macau, considerando que “foi realizado uma obra muito importante, lançada ainda no tempo da Administração portuguesa, e continuada pelas autoridades da Região Administrativa Especial de Macau”. Vilar acrescentou que “o facto dessa obra ter sido reconhecida como Património Mundial pela UNESCO, só sublinha o valor desse património, tal como cria responsabilidade de o preservar em boas condições”.

Sobre o património que Portugal deixou espalhado no Mundo e que pode ser apreciado na exposição que inaugura ao final da tarde, Rui Vilar destaca que, “para a imagem de Portugal, é muito importante o reconhecimento do valor desses exemplos visíveis daquilo que foi a primeira globalização e o encontro de culturas”.

A iniciativa de trazer a Macau a exposição partiu também do Instituto Camões. Em declarações à Rádio Macau, a vice-presidente Dinah Azevedo Neves disse que a exposição é a forma ideal de celebrar a efeméride.

Sobre a actividade do Instituto Camões em Macau, a vice-presidente mostrou abertura para um reforço dos programas de intercâmbio cultural, notando que tanto em Portugal como na RAEM há uma aposta nas indústrias criativas. “Porque não pensarmos na circulação dos artistas? Encontrámos uma grande vontade de intercâmbios e de trocar experiências”, disse Dinah Azevedo Neves, à margem do lançamento, em Macau, do volume dedicado à Ásia e Oceânia da obra “Património Histórico de Origem Portuguesa no Mundo”, dirigida pelo historiador José Mattoso. O volume apresentado teve edição em Português e em Inglês.