Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

58 mil residentes têm mais de um milhão de patacas
Quarta, 12/03/2014

Um estudo do banco Weng Hang, encomendado à Universidade de Macau concluiu que 15,7 por cento da população, o equivalente a 58 mil pessoas, tem activos líquidos acima de um milhão de patacas, o patamar que traçado pela instituição de ensino para definir um milionário. Sobre as formas de investimento, 54 por cento dos inquiridos diz saber pouco sobre onde aplicar o dinheiro.

 

Este inquérito a 700 residentes, feito entre Novembro de 2013 a Janeiro, acaba por ter resultados semelhantes a outro de Hong Kong, conduzido em 2012. Os resultados não surpreendem Clement Chow, o professor encarregue do estudo. “Não são surpreendentes. Se fossem resultados de um estudo feito há 20 anos, eu ficaria bastante surpreendido por serem tão semelhantes aos de Hong Kong. Mas agora não há surpresa porque muitas pessoas conseguem acumular riqueza através do crescimento económico de Macau e do investimento que fazem no imobiliário”.

 

A maioria das pessoas, que o estudo considera milionárias, tem entre 30 e 49 anos, sendo o investimento feito, sobretudo, na bolsa de valores (48%) e no mercado imobiliário (47%). Mas ainda assim, os residentes continuam a ter um comportamento conservador, diz o estudo. O professor Clement Chow entende que os residentes estão assustados por causa de polémicas recentes, devendo o sector financeiro começar a mudar mentalidades . “Se pretendemos mudar o comportamento conservador, têm de ser os responsáveis do sector financeiro, que têm de começar a dizer que um determinado investimento não é um negócio de risco. Porque as pessoas têm ouvido muito sobre o lado negativo do negócio, como o caso Lehman Brothers”.

 

Mas o professor Clement Chow reconhece que o investimento imobiliário não está acessível a todos neste momento. O docente sublinha que os preços estão demasiado caros e prevê que a bolha imobiliária vai acabar por estourar, quando bancos tiverem menos dinheiro para emprestar aos compradores de imóveis.