Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Quinta-feira)
Quinta, 06/03/2014

Tanto os jornais de Macau, como os de Hong Kong dão hoje espaço ao discurso de Li Keqiang na Assembleia Popular Nacional.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Ou Mun conta na edição de hoje que Li Keqiang quer alargar a cooperação entre o Continente e Macau e Hong Kong. O jornal publica ainda na primeira página outros textos sobre os trabalhos que decorrem na capital chinesa.

 

Já o Va Kio opta por puxar para manchete pelas declarações de Ambrose So, afirmações feitas em Pequim. O director executivo da Sociedade de Jogos de Macau não considera realista a vontade de diversificação da economia local se estiver completamente desvinculada do jogo.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

A Ou Mun Tin Toi tem estado esta manhã a falar do sistema conjunto de inspecção entre Macau e Guangdong. Em 2016, deverá estar a funcionar o novo posto fronteiriço junto ao Canal dos Patos, na Ilha Verde. O edifício vai começar a ser construído na segunda metade do próximo ano. 

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“SJM deixou escapar liderança mas cresceu 21 por cento em mês recorde”, lê-se nas gordas do Jornal Tribuna de Macau, que publica um texto sobre as receitas de Fevereiro das diferentes operadoras. Na fotografia da capa, a imagem de um táxi e de um motociclista parados na rua: “Chuva de lama nas Mariazinhas”.

 

O Hoje Macau ilustra a primeira página com notas de 500 e de mil patacas penduradas numa corda de secar roupa: “Aqui lava-se”, escreve o jornal, acerca de um relatório sobre branqueamento de capitais. No topo da página, chamada para as declarações do médico Rui Furtado acerca da nova lei dos internatos: “Implementação tem de ser uma realidade”.

 

O Ponto Final publica uma imagem de Chui Sai On: “Todos querem saber quem serão os próximos cinco”. Chamada também para uma notícia sobre os trabalhos que decorrem em Pequim: “Delegados de Macau pedem mais reformas na saúde”.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

Na manchete do Macau Daily Times lê-se hoje que “China anuncia aumento em 12 por cento das despesas militares”. O Ministério das Finanças revelou que o orçamento militar vai subir para cerca de 960 mil milhões de patacas. O anúncio foi feito durante a abertura da sessão anual da Assembleia Popular Nacional. Na fotografia, o jornal faz referência à edição deste ano do Festival de Artes de Macau, que promete mais de 200 eventos em 16 locais.

 

O Macau Post Daily destaca o relatório de ontem do primeiro-ministro da China: “Li Keqiang promete um crescimento económico estável de 7,5 por cento e um ar mais limpo”. No discurso, o chefe de Governo voltou a reforçar a ideia de que as autoridades chinesas procuram um modelo económico mais sustentável.

 

O Business Daily escreve hoje que os trabalhos na fronteira começam no próximo ano. De acordo com o diário económico, as construções na nova fronteira na Ilha Verde têm início em meados de 2015 e devem ficar concluídas em 2016. Noutro destaque da capa, o matutino publica uma fotografia de Chui Sai On com o título “Esse segundo mandato complicado”. Realça o jornal que um dos maiores desafios vai ser a diversificação económica da cidade, que vem sido pedida por Pequim.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post puxa para manchete as intenções de Pequim, que declararam guerra à poluição. Outra notícia de destaque na capa do matutino: Kerry pressiona a Rússia a dialogar com a Ucrânia.

 

O China Daily ocupa metade da primeira página com uma fotografia de Li Keqiang, para o título “Primeiro-ministro coloca a tónica na reforma”, em referência ao relatório apresentado ontem durante a abertura da reunião magna da Assembleia Popular Nacional. O jornal oficial dedica ainda uma coluna da primeira página à mensagem deixada pelo chefe de Governo às regiões administrativas especiais: “Pequim está empenhado na futura prosperidade” de Macau e de Hong Kong.

 

A notícia principal da edição de hoje do Standard também chega de Pequim: a China 7,5 por cento como meta para o crescimento.