Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Carminho actua no Festival de Artes de Macau
Quarta, 05/03/2014

A portuguesa Carminho é um dos destaques do 25º Festival de Artes de Macau, que decorre entre 2 de Maio e 8 de Junho. A estreia no território da fadista portuguesa já cantou com artistas como Chico Buarque, Pablo Albóran ou Nicolas Jaar, acontece no dia 4 de Maio, às 20 horas, na Praça do Tap Seac.

 

Na edição em que comemora o jubileu de prata, o Festival de Artes de Macau conta com um orçamento de 27 milhões de patacas, mais dois milhões do que em 2013, de acordo com o presidente do Instituto Cultural, Guilherme Ung Vai Meng.

 

Ao longo de mais de um mês,o cartaz do evento apresenta 31 programas em 16 locais diferentes da cidade, totalizando mais de duzentos eventos que vão desde a dança contemporânea à ópera cantonense, passando por exposições, espectáculos multimédia, música e teatro.

 

Dez países e territórios estão representados no cartaz que tem em destaque as produções locais, que vão abrir e encerrar o festival, realçou o presidente do Instituto Cultural: “Este ano, as cerimónias de abertura e encerramento foram especialmente encomendadas a grupos locais. O ‘Concerto de Abertura do Jubileu de Prata do Festival de Artes de Macau’ junta elites musicais locais, enquanto a cerimónia d eencerramento, intitulada ‘Um Sonho de Luz’, traz mais um espectáculo de ‘mapping’ arquitectural à cidade”.

 

Além de Carminho, Portugal está ainda representado no Festival de Artes pela Amálgama Companhia de Dança, que apresenta no edifício do antigo tribunal, a 3 e 4 de Maio, a peça “Renascer”, em co-produção com a Stella & Artistas e o Estúdio de Dança de Macau.

 

Como tem sido hábito, o Festival de Artes vai servir também para a estreia de mais uma récita dos Dóci Papiaçám di Macau. Este ano, o tema é a habitação. “Vivo Na Únde? (Casa de Sonho?)” lança a pergunta: “Como se pode ser um talento se não se consegue comprar uma casa para morar?” O teatro em patuá está marcado paraos dias 10 e 11 de Maio, no Centro Cultural de Macau.

 

Os problemas do imobiliário dão o mote a outra peça produzida em Macau pelo Grupo de Teatro Experimental Pequena Cidade, que apresenta “Os Venezianos Querem Ter uma Casa”, uma adapatação de “Clybourne Park”, do norte-americano Bruce Norris, que sobe ao palco do Teatro Dom Pedro V nos dias 3 e 4 de Maio.

 

Outros destaques do 25º Festival de Artes vão para o ballet “Dance”, que resulta da colaboração entre a coreógrafa Lucinda Childs, o compositor Philip Glass e o artista visual Sol LeWitt – para ver no Centro Cultural de Macau nos dias 17 e 18 de Maio.

 

O programa completo pode ser consultado no seguinte endereço: http://www.icm.gov.mo/fam/25/pt/.