Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Anima não contesta despacho da DSSOPT para deixar terreno
Domingo, 23/02/2014

A Anima está obrigada a abandonar uma parcela de terreno, por ocupação ilegal. O espaço em causa faz parte do complexo instalado em Coloane. Albano Martins justifica a utilização do terreno por questões de segurança. “São talvez 40 metros quadrados, é uma zona que também serve de escudo para a entrada de cobras – porque há muitas cobras venenosas e grandes – e está protegida pelos animais maiores que nós temos. A informação que temos é que o Governo quer que a Anima abandone aquela área, que é impossível de ser tomada porque fica entre duas montanhas e é um terreno de ninguém”, nota o presidente da Anima.

 

Albano Martins identifica dois problemas, caso o terreno seja desocupado:“Primeiro, vamos ter de matar todos aqueles animais que ali estão porque não temos espaço e são mais de 30 animais. Nós não matamos, portanto, alguém vai ter de fazer esse trabalho. Não vamos ser nós. Em segundo lugar, vamos por em perigo os visitantes que nós temos e o nosso próprio pessoal.”

 

Sem solução à vista, Albano Martins dá apenas duas certezas. A Anima não vai contestar o despacho das Obras Públicas – algo que deveria ser feito ate ao final desta semana – e o caso vai chegar ao Chefe do Executivo.

 

“A Anima não vai contestar o despacho. Vai apenas chamar a atenção do Chefe do Executivo para a insensatez e a falta de sensibilidade do Governo em questões tão dramáticas como estas. Estamos a fazer o trabalho que o Governo não faz. Todo este trabalho de tirar animais de zonas de risco, das auto-estradas, das pontes. Animais que podem causar problemas à população. Recolhê-las no abrigo é um trabalho que estamos a fazer e muitos departamentos do Governo não conseguem perceber que somos uma associação não só sem fins lucrativos, como de utilidade pública”, nota Albano Martins.

 

Actualmente, a Anima alberga cerca de 330 cães e 130 gatos. Na rua, o apoio chega a quase 2.500 animais.

 

As declarações de Albano Martins foram feitas ao programa Paralelo 22, emitido este domingo na Rádio Macau.