Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Primeiras aulas na Ilha da Montanha na próxima semana
Terça, 04/02/2014

O novo campus da Universidade de Macau vai receber alunos e professores já na próxima semana – são as primeiras aulas na Ilha da Montanha. Mas, segundo uma entrevista do vice-reitor Rui Martins ao jornal Business Daily, só no início do próximo ano lectivo é que todos os cursos vão ser leccionados nas novas instalações.

 

O campus da Ilha da Montanha recebe, a partir do dia 12, alunos e professores de disciplinas que, neste segundo semestre, vão ser leccionadas nas novas instalações da Universidade de Macau. A instituição de ensino, explica Rui Martins ao Business Daily, está em processo de mudança – um processo que ficará concluído a tempo do próximo ano lectivo.

 

Na entrevista ao económico, o vice-reitor considera que o grande desafio da Universidade de Macau é a transferência para a Ilha da Montanha, não só porque o novo campus é dez vezes maior do que o actual, mas também porque o crescimento é acompanhado pela criação de novas faculdades.

 

Instado a comentar a série de atrasos relacionados com as novas instalações, Rui Martins considera que é “normal, num projecto deste género, que se demore a concluir a construção” e descarta que haja problemas com o túnel de acesso ao campus, ao explicar que já está a ser utilizado. O vice-reitor avança ainda que já há alguns alunos e professores a viverem na Ilha da Montanha, uma vez que há duas residências que já estão operacionais.

 

Sobre o actual campus na Taipa, o responsável assegura que ainda não sabe o que vai acontecer aos edifícios. A Universidade de Macau quer manter a biblioteca – que deixará de receber livros e leitores para passar a ser o centro da instituição na cidade, de modo a que possam ser lá leccionados cursos nocturnos, como os mestrados. O edifício servirá também para seminários e conferências. Quanto aos restantes blocos, vão ficar vazios. Rui Martins acredita que só depois de Setembro – quando todas as aulas da Universidade de Macau passam a ser dadas na Ilha da Montanha – é que haverá novidades.