Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Dezenas de instituições candidatas a programa de formação
Sexta, 08/07/2011
Mais de 80 escolas e associações candidataram-se já ao programa de formação contínua do Governo, que disponibiliza a cada residente cinco mil patacas para frequentar um curso. A informática é uma das muitas áreas envolvidas.

Os números – referentes às inscrições recebidas até esta manhã de sexta-feira - foram revelados hoje à Rádio Macau pela subdirectora dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ), Luísa Kuok.

A dirigente revelou ainda que cerca de 20 mil pessoas acederam à página do programa na Internet para tentar abrir uma conta para receber o subsídio, mas explicou que não é assim que o sistema funciona: os residentes interessados em obter o subsídio para a formação não têm que fazer nada a não ser inscrever-se num curso de uma escola ou associação que tenha aderido ao programa.

”Não é necessário abrir uma conta, porque quando os residentes se dirigirem a uma escola ou associação para frequentar uma acção de formação, essa conta será criada imediatamente de modo automático”, afirmou a subdirectora.

Mas a regra só é válida para cursos ministrados em Macau. Na formação feita no exterior, por falta de oferta no território, os residentes completam primeiro o curso e, só depois, candidatam-se ao reembolso do Governo da RAEM.

”Primeiro têm que se candidatar ao curso e pagar as propinas, e, depois de terminarem o curso, podem candidatar-se à DSEJ para um reembolso dessas propinas”, explicou Luísa Kuok, frisando que o curso realizado no exterior tem que ser reconhecido pelo Governo local e pelos Serviços de Educação e Juventude.

“Estamos no século XXI, é um mundo da economia e do conhecimento. Temos que continuar a estudar ao longo da vida, caso contrário, não conseguiremos enfrentar os desafios”, acrescentou à Rádio Luísa Kuok, justificando a aposta do Executivo neste programa de função contínua.