Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Fórum: Participantes fazem balanço positivo
Terça, 05/11/2013

Os países que integram o Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa mostraram-se satisfeitos com o resultado da conferência ministerial que hoje se realizou em Macau. No final do encontro que aconteceu esta tarde, os governantes que participaram na reunião destacaram o facto de serem várias as medidas que pretendem reforçar a cooperação entre os membros.  

 

Angola destacou o facto de o plano de acção até 2016 ser ambicioso. “É um plano de acção que prevê metas bastante ambiciosas, em alguns aspectos é bastante inovador. Achamos que com este acerto que foi acabado de fazer todos os países membros poderão beneficiar desta ajuda e deste mecanismo de cooperação.”

 

Também Cabo Verde ficou satisfeito com as medidas anunciadas, porque “são fundamentais para a consolidação dos vários países” que esperam da China fundos para o investimento. Ao Governo da Cidade da Praia agrada ainda o facto de haver novas áreas de cooperação. “Realço aqui a questão do ambiente que, pela primeira vez, é trazida às nossas conferências e às nossas decisões aqui tomadas”, disse o representante de Cabo Verde.

 

Quanto a Portugal, o secretário de Estado de Lisboa presente na conferência ministerial garantiu que o Fórum pode ter um papel importante na vida dos portugueses e que, em sentido inverso, Portugal pode desempenhar um papel de relevo para a China. “Portugal pode assumir um papel de grande relevo enquanto elo de ligação dos países de língua portuguesa, mas também da República Popular da China com a União Europeia, onde Portugal pode, como tem feito até agora, influenciar as decisões na União Europeia.”

 

Num ambiente de consenso, o ministro da Guiné-Bissau deixou um desejo: “Que no termo do prazo de implementação deste plano de acção todos possamos usar uma máxima que se ouviu esta manhã, que possamos dizer ‘ uf, foi um negócio da China’.”