Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

Liberais apostam na educação, democracia e justiça
Quinta, 05/09/2013

Jason Chao apresentou esta tarde o programa eleitoral para as legislativas do próximo dia 15 de Setembro. O cabeça-de-lista da “Liberais da Novo Macau” quer que o território seja “justo”, “aberto” e “democrático”. Como prioridade, elege “o sufrágio universal, a defesa dos direitos humanos e uma educação multilingue e multicultural nas escolas”.

 

A “responsabilização dos titulares dos cargos públicos” não é esquecida e Jason Cha volta a sugerir a demissão da secretária para a Administração e Justiça, Florinda Chan. O antigo Chefe do Executivo, Edmund Ho, também deve ser investigado por “abuso de poder” e “outros interesses ilegítimos”, lê-se no programa político, disponibilizado em língua portuguesa.

 

Nas propostas apresentadas por Jason Chao, a educação multilingue e multicultural nas escolas ocupou boa parte da conferência de imprensa. “Acho que Macau está a tornar-se numa cidade interncional e, por isso, espero que seja mais diversificada em termos de culturas. Quero uma Macau mais multicultural. As autoridades devem encorajar as instituições de ensino a apostar numa educação multilingue e multicultural”, sublinha o candidato, que defende ainda uma aposta na língua portuguesa porque permite o acesso dos residentes ao funcionamento do sistema judicial.

 

Outras ideias de Jason Chao passam pela reserva de pelo menos 60 por cento dos terrenos recuperados pelo Governo para habitação pública. O candidato sugere  ainda a criação de uma lei sindical, a revisão dos subsídios entregues às instituições de ensino privadas e o controlo na entrada de visitantes.

 

“Por vezes, em algumas épocas altas, será necessário controlar o número de visitantes que entram em Macau. O espaço da cidade é limitado”, recorda o principal rosto da “Liberais da Novo Macau”.

 

A lista encabeçada por Jason Chao exige um papel mais forte da Assembleia Legislativa, que deve aprovar os projectos públicos com “custos iguais ou superiores a 30 milhões de patacas”. No capítulo do salário mínimo, o valor terá de ser fixado “em pelo menos 50 por cento do rendimento individual mediano”.

 

As promessas de Jason Chao reforçam o argumento de que os locais têm de ter acesso privilegiado ao emprego. E o mesmo deve acontecer com os lugares de topo nas operadoras de jogo. Uma proposta que até está em sintonia com os desejos do Chefe do Executivo, Chui Sai On.