Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

La Scala: CCAC diz que Ao Man Long reuniu-se com empresários
Quarta, 17/07/2013

O investigador do Comissariado Contra a Corrupção (CCAC) responsável pelo “caso La Scala” garante que a empresa promotora do projecto imobiliário, a Chinese Estate Holdings, pediu as plantas à empresa de arquitectura Heng Ip, envolvida no projecto do empreendimento de luxo “La Scala”, antes do processo de venda dos terrenos em frente ao aeroporto.

 

O investigador acrescenta ainda ter provas de que o antigo secretário para os Transportes e Obras Públicas, Ao Man Long, e os empresários Joseph Lau e Steven lo se encontraram dias depois da Jones Lang LaSalle, empresa que apresentou a proposta em nome da Moon Ocean, ter recebido o convite para a venda das parcelas.

 

Recorde-se que Steven lo e Joseph Lau, empresários da Moon Ocean, são arguidos no processo por alegadamente terem subornado o secretário Ao Man Long para adquirirem os cinco terrenos onde estava a ser construído o La Scala.

 

O investigador pouco mais disse porque a audiência foi sobretudo ocupada com a discussão sobre o uso do programa informático “Power Point” para o CCAC fazer uma apresentação do caso.

 

O Ministério Público defende que facilita a compreensão dos acontecimentos, já a defesa contesta e vinca que a apresentação em “Power Point” contém informação descontextualizada, manipulada e tira toda a espontaneidade e sinceridade ao depoimento.

 

Depois de ouvidas as partes, o colectivo de juízes decidiu autorizar o uso da tecnologia mas com condições: a montagem só aparece nos computadores dos advogados, juízes e da testemunha, ou seja, não aparece nos ecrãs destinados ao público. Além disso, a testemunha só pode recorrer ao “Power Point” à medida que vai sendo inquirida e só pode usar os documentos que já estão nos autos.

 

O uso do “Power Point” tem sido polémico desde o início do caso Ao Man Long. No julgamento do antigo secretário, foi autorizado pelo Tribunal de Última Instância apesar da forte contestação da defesa.

 

O investigador do CCAC vai continuar a ser inquirido na próxima semana.