Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

La Scala: Ao Man Long não influenciou escolha da Waterleau
Segunda, 15/07/2013

A antiga coordenadora-adjunta do Gabinete para o Desenvolvimento de Infra-estruturas (GDI) disse que o ex-secretário referenciou a Waterleau no processo de adjudicação da empreitada da ETAR do Posto Transfronteiriço, o que, no entanto, não influenciou a decisão da Comissão de Avaliação de Propostas do GDI. A engenheira Pun Pou Leng foi hoje ouvida durante todo o dia no Tribunal Judicial de Base, no âmbito do processo La Scala.

 

De acordo com a testemunha, Ao Man Long referenciou a empresa de Luc Vreins, “numa conversa informal”, na qual destacou um trabalho de concepção da ETAR de Coloane que continuava “adequado” à realidade Macau. Pun Pou Leng interpretou esta conversa como uma forma do secretário “dar a conhecer” o trabalho de Luc Vreins, nos anos 90, quando liderava a companhia Seghers. A engenheira frisou ainda que se o seu superior não tivesse dito nada, nunca teria ficado a saber que fora Luc Vreins o responsável pela primeira fase da ETAR de Coloane.

 

Pun Pou Leng acabou, na sequência da conversa por dar uma pontuação técnica mais alta ao consórcio da Waterleau para os contratos da segunda fase da ETAR de Coloane e para a primeira fase da ETAR do Posto Transfronteiriço, realçando, porém, não ter entendido que Ao Man Long estivesse desse modo a influenciar ou a indicar que as empreitadas deveriam ser adjudicadas à empresa de Luc Vreins. Esta declaração fez o procurador do Ministério Público apontar que a engenheira estava a contradizer as afirmações prestadas antes, no Ministério Público e no Comissariado contra a Corrupção, quando tinha dito que “não podia não reconhecer que houve influência de Ao Man Long”.

 

Durante a inquirição pela defesa do arguido Pedro Chiang, Pun Pou Leng disse também nunca ter tratado de nada com o empresário de Macau, desconhecendo ainda que este era sócio local da Waterleau Macau - a empresa que integrava o consórcio que ficou com os contratos das ETAR – através da Best Choice, uma das offshore que eram geridas por Ao Man Long.