Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Terça-feira)
Terça, 02/07/2013

O encerramento do jardim de infância luso-chinês Peónia, a manifestação dos agentes imobiliários e o caso dos detidos na manifestação anti-Florinda Chan, no domingo, alimentam as manchetes da imprensa portuguesa de hoje.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

O Va Kio destaca o grau de satisfação dos visitantes de Macau do ano passado. Foi o mais dos últimos quatro anos, tal como o grau de satisfação sobre o património mundial que desceu para o 7o lugar, no ranking das dez  indústrias do sector do turismo. O jornal dá, também, conta de que mais de 500 mediadores imobiliários organizaram, ontem, uma manifestação para pedir ao Governo que cancele os artigos sobre “o contrato de mediação imobiliária”. O Va Kio fala ainda do Conselho Executivo que concluiu a discussão sobre o projecto de regulamento administrativo que cria o Conselho para os Assuntos Médicos. O Conselho vai ser composto por 43 elementos.

 

O Ou Mun fala também dos mediadores imobiliários que organizaram ontem uma manifestação em que entregaram uma petição na sede do Governo. Entendem que alguns artigos da Lei da actividade de mediação imobiliária vão ser difíceis de cumprir.

 

Canal chinês da Rádio Macau

O Ou Mun Tin Toi disse, esta manhã, que todos os sinais de tufão foram recolhidos às 6H30. O tufão Rumbia fica cada vez mais longe de Macau. A rádio falou ainda da demissão do ministro dos Negócios Estrangeiros do Egipto.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

O Hoje Macau faz manchete com o encerramento do jardim de infância Peónia. “Menos português. Jardim-de-infância luso-chinês encerra portas em Setembro”. Em destaque, o caso dos detidos da manifestação de domingo. “Ida à Penha pode valer queixa contra acção da polícia. Ministério Público investiga caso dos seis detidos”.

 

O Ponto Final chama para destaque o mesmo caso. “Abusos na Penha” é a manchete que fala da queixa ao Ministério Público que Jason Chao conta apresentar contra a PSP esta semana. Em grande foto, o jornal ilustra a manifestação pró-democracia de ontem em Hong Kong. “Chuva de democracia”, é o título.

 

O Jornal Tribuna de Macau prefere destacar a contestação no sector imobiliário. “Lei da Mediação Imobiliária junta mil em protesto”. Em baixo, o “Encanto do Português na Ásia”, referência à edição do curso de Verão da Universidade de Macau.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

O Business Daily puxa para manchete uma questão de lixo. “Questionada decisão do Chefe do Executivo sobre contrato dos lixos”

 

O Macau Daily Times entrega a manchete ao jogo. “Receitas do jogo batem recorde em Junho” e, com foto, na parte inferior da primeira, as gordas são entregues ao dia de protesto em Hong Kong. “Milhares de manifestantes pedem demissão de C. Y. Leung”, o Chefe do Executivo de Hong Kong.

 

O Macau Post Daily dá destaque à manifestação de ontem dos agentes imobiliários. “Milhares de agentes protestam conta nova lei de intermediação imobiliária” é a manchete.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa 

O South China Morning Post dá todo no destaque para as manifestações pró democracia de ontem. A toda a largura, uma foto da multidão e manchete: Manifestantes observam nuvens de tempestade sobre C. Y., em referência a C. Y. Leung, o Chefe do Executivo da RAEHK.

 

No Standard, o mesmo tema e respectiva manchete. "Desfilando o protesto", com fotos da manifestação e as estimativas dos organizadores. 430 mil na rua, e da polícia, 566 mil, e ainda da universidade de Hong Kong, entre 88 e 98 mil.

 

Olhamos o lado oficialista do dia de ontem com o China Daily que na manchete não fala dos protestos pró-democracia. Prefere contabilizar 225 mil pessoas na celebração do dia da Região Administrativa Especial. E ao lado, ainda nas gordas, Governo põe as pessoas primeiro, diz Leung, o Chefe do Executivo.