Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Conselho Executivo anuncia plano para jovens empresários
Segunda, 03/06/2013

Está pronto o plano de apoio a jovens empreendedores. O Conselho Executivo anunciou hoje as regras deste projecto que pretende apoiar quem quiser lançar um negócio de raiz e não tenha capital para o fazer num montante máximo de seiscentas mil patacas. 

A ideia é apoiar a diversificação da economia, mas também estimular a competitividade dos mais novos, com idades compreendidas entre os 21 e 44 anos. “Aos jovens de Macau que criem o seu primeiro próprio negócios são prestados apoios sob a concessão de uma verba de apoio, sem juros, no montante máximo de 300 mil patacas e que se aplicam para fundos designados”, disse o porta-voz do Conselho Executivo, Leong Heng Teng que explicou ainda que a verba pode subir ao dobro nos termos dos apoios já prestados às Pequenas e Médias Empresas.

O porta-voz adiantou ainda outras condições de acesso a esta verba: residentes permanentes da RAEM, sem prévia actividade empresarial e que não tenha participação em mais de 50 por cento do capital de empresas com registo nas Finanças. O empréstimo, sem juros, das trezentas mil patacas pode subir, noutra candidatura, ao total máximo de seiscentas mil. Nestes casos, em que a verba concedida ultrapassar as cem mil patacas, o candidato tem de apresentar um fiador idóneo. O reembolso deverá acontecer no máximo de oito anos, em prestações mensais.

O diploma vai criar também uma Comissão de Apreciação de cada candidatura, um presidente e até seis vogais, com poder vinculativo sobre a atribuição ou não dos apoios. Cabe à Inspecção de Actividades Económicas investigar se as verbas vão mesmo ser aplicadas no empreendedorismo.

Hoje, houve outro anúncio do Conselho Executivo – terminou a discussão sobre o limite de resíduos de medicamentos veterinários nos alimentos. Controla a quantidade destas drogas nas carnes destinadas ao consumo humano. Seja quando são importadas, transformadas ou vendidas. Trata-se de carne de vaca, porco, galinha, pato, ovelha, peixe e camarão. Uma lei que é para valer quando entrar em vigor a lei da segurança alimentar, 20 de Outubro.