Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Vítor Sereno desconhece nomeação de Vitório Cardoso
Sábado, 01/06/2013

O cônsul-geral de Portugal em Macau garante que nunca recebeu qualquer instrução acerca da nomeação de Vitório Cardoso para o Fórum Macau, sendo que o mesmo se passa com o embaixador de Portugal em Pequim.

 

“Quer ele [embaixador em Pequim], quer eu não vimos nem recebemos nenhuma instrução em nenhum lado de que Vitório Cardoso iria ser nomeado para representar Portugal no Fórum Macau. Acho, de facto, muito estranho o alvoroço que se levanta à volta disso”, afirma Vítor Sereno, em entrevista à Rádio Macau.

 

O diplomata acrescenta não ter sido informado de qualquer nomeação, independentemente do nome. “Acho que é uma não questão”, refere. Sobre a possibilidade de haver um representante específico do Governo de Lisboa para a estrutura que serve de ligação à China e aos países lusófonos, Sereno concorda que se trata de “um reconhecimento da importância que o Fórum tem para o Estado português”. “Estou absolutamente a favor da nomeação de uma pessoa para um organismo importante e ao qual Portugal quer cada vez mais atribuir-lhe importância”, destaca.

 

Naquela que foi a primeira entrevista desde que assumiu funções, Vítor Sereno fala também da sua própria nomeação para Macau, dizendo tratar-se de “um sinal claro do reconhecimento político que Portugal quer dar a Macau”. O cônsul – que foi chefe de gabinete do ex-ministro Miguel Relvas – acrescenta que não é político, mas sim diplomata, e que foi com “honra e gosto” que serviu também num Governo socialista.

 

“Sinto-me muito mais diplomata do que político. Fui chefe de gabinete de um secretário de Estado socialista com imensa honra e com imenso gosto. Tive este regresso à política por uma questão de amizade, pura e simplesmente. Um diplomata não pode ter estados de alma. Eu sou um diplomata um bocadinho sui generis”, diz.

 

Questionado sobre se um diplomata deve ter filiação partidária, Vítor Sereno defende que tal pode acontecer, “como pode ter clube de futebol”. Já sobre uma eventual maior proximidade ao Partido Social Democrata, o cônsul garante ser “um homem mais próximo daquilo que é a bandeira de Portugal”.

 

Vítor Sereno é o convidado desta semana do programa Rádio Macau Entrevista, que pode ouvir neste site.