Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

DSEJ vai manter programa de formação contínua
Terça, 28/05/2013

O programa de aperfeiçoamento contínuo vai continuar no próximo ano. Os Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) decidiram manter os cursos de formação, apesar das irregularidades detectadas pelo Comissariado da Auditoria, no final do ano passado.

 

A decisão foi tomada de acordo com a vontade dos residentes. Os resultados preliminares de um inquérito aos alunos dos cursos de formação levam a DSEJ a decidir manter o programa de desenvolvimento e aperfeiçoamento contínuo. De acordo com a chefe do Departamento de Ensino, Leong Vai Kei, “cerca de 90 por cento” dos inquiridos defendem a continuação do programa.

 

Mas o curso, que contou desde Julho de 2011, com mais de 104 mil participantes, terá moldes diferentes. Leong Vai Kei sublinhou que uma das mudanças pode relacionar-se com o pagamento das propinas. A DSEJ está a estudar a possibilidade de os alunos arcarem com parte do montante, uma sugestão apresentada por algumas instituições que ministram cursos de formação contínua e que tem por objectivo diminuir a taxa de desistência.

 

Entre as mudanças estão ainda o âmbito dos cursos admitidos. A DSEJ quer direccionar a selecção para cursos técnico-profissionais que ajudem ao desenvolvimento de Macau como um centro internacional de turismo e lazer, como as artes liberais, que incluem a pintura e a dança.

 

A revisão dos moldes do programa de formação continua é muito motivada pelas criticas feitas pelo Comissariado da Auditoria que, num relatório no final do ano passado, “deficiências” na gestão e fiscalização do programa, que levaram à “admissão indevida de cursos”.

 

A DSEJ garante estar a fiscalizar melhor as instituições, o que resultou no envio de três casos para o Ministério Público – dois deles relacionados com a mesma instituição de ensino.

 

Desde o início do programa de formação contínua, o Governo já investiu quase 350 milhões de patacas, com os subsídios de cinco mil patacas por residente. A primeira fase do programa termina no último dia do ano.