Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Segunda-feira)
Segunda, 27/05/2013

Os números do estado ambiental de Macau atravessam a imprensa portuguesa desta manhã que faz referência alargada à estreia do novo espectáculo dos Doci Papiáçam de Macau.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

“Gargalhada eleitoral” é o título escolhido pelo Ponto Final em referência à estreia da peça dos Dóci Papiáçam de Macau “Amochai Divoto”, no passado fim-de-semana, no Centro Cultural. A manchete do jornal prende-se com os números e estatísticas do Ambiente. Daí, justamente, “Mau ambiente” devido ao agravamento dos índices ambientais em Macau.

 

O Hoje Macau puxa para título a decisão de um tribunal em impedir a Las Vegas Sands de patentear a designação “Cotai”. “Coitai é de todos”, diz o diário. Uma notícia de futebol se destaca na primeira página. “A salvação, segundo Pio Júnior”, sobre o Benfica que continua na luta pelo título na Liga de Elite.

 

O Jornal Tribuna de Macau coloca também, em manchete, as estatísticas do Ambiente. “Ambiente degrada-se em várias frentes”. Em entrevista, surge na primeira página do jornal José Tavares, vice-presidente do Instituto do desporto. “O nosso amadorismo vai ter de acabar”.

 

 

Jornais de Macau em língua inglesa

“Fórum insta escolas e pais a estarem atentos a jovens consumidores de drogas” é a manchete do jornal Macau Post Independent

 

O Macau Daily Times destaca, nos números sobre o estado do ambiente em Macau em 2012, os “73 dias de chuvas ácidas”. Em grande foto, destaca-se a visita de especialistas das Nações Unidas ao Japão para avaliar a situação das vítimas do desastre nuclear do ano passado.

 

“Tripla ameaça paira sobre o sector bancário” é a manchete do Business Daily, sobre um relatório da agência de notação Fitch que sublinha os vários riscos a que está exposto o sector bancário de Macau. Destaque ainda para a situação financeira da Reolian. Estamos a perder mais de quatro milhões de patacas por mês”, diz Cédric Rigaud, o director geral da empresa.

 

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

No China Daily, grande espaço à visita de Li Keqiang à Alemanha. Grande foto de Angela Merkel e o primeiro-ministro chinês na parada militar que, ontem, recebeu em Berlim o dignitário de Pequim mas o título refere-se ao pedido de Li Keqian ao Japão para que respeite a soberania territorial da China e siga a ordem mundial herdada da II Grande Guerra: “Japão deve enfrentar a história”, diz a manchete.

 

No Standard, a primeira página está feita de publicidade, sendo que o grande destaque diz respeito à “entrada de Pequim na política de Hong Kong” a propósito do movimento Occupy Central. Um grupo pró Pequim ligado ao sector dos negócios lançou uma campanha contra o movimento.

 

O South China Morning Post surge com grande foto antecipando o 4 de Junho, data do massacre estudantil de Tiannamen. “Manchete de Junho divide os movimentos de protesto”. Mas a manchete é outra: “O Conselho Executivo perde a sua glória colonial, diz o presidente da Assembleia Legislativa” de Hong Kong.