Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Revista de Imprensa de Macau e Hong Kong (Quarta-feira)
Quarta, 08/05/2013

Na imprensa chinesa o grande destaque é o acidente com uma grua nas obras do metro ligeiro, que não provocou mortos nem feridos.

 

Jornais de Macau em língua chinesa

 

O Va Kio centra as atenções no acidente, na madrugada de ontem, nas obras do metro ligeiro, junto ao aeroporto de Macau. O jornal acrescenta que o Governo está já a investigar o acidente. O diário sublinha que a empresa tem licença para prosseguir os trabalhos durante a noite.  Ainda em foco no Va Kio as declarações da deputada e directora executiva da Sociedade de Jogos de Macau. Angela Leong não está confiante que os casinos da SJM passem nos testes de qualidade de ar, no âmbito da lei anti tabaco.

 

O jornal Ou Mun dedica quase a totalidade da primeira página ao acidente de ontem nas obras do metro. Um acidente com uma grua não provocou mortos ou feridos, mas levou ao encerramento da avenida ao trânsito por sete horas. O jornal diz que é o segundo acidente em duas semanas e aborda a questão da segurança e dos problemas que a construção do metro pode causar, sobretudo na Taipa.

 

Canal chinês da Rádio Macau

 

O Canal chinês da Rádio Macau destaca, esta manhã, os trabalhos de reparação do cabo submarino, que sofreu danos em Abril danos. Os trabalhos de reparação prosseguiram esta noite, avisou a CTM em comunicado.

 

Jornais de Macau em língua portuguesa

 

“No ‘horizonte’ só há promessas” titula o Jornal Tribuna de Macau. A empresa que vende Pearl Horizon joga com a credibilidade para garantir apartamentos. No destaque fotográfico o parque automóvel de Macau: “19 por cento dos carros a gasóleo demasiado poluentes”. Noutras chamadas de capa: “Banco da China encerrou conta norte-coreana”; “CDS defende desistência da taxa sobre pensões”.

 

No Hoje Macau em foco o caso da minissaia de Kam Sut Leng que “não tem medo de lutar”. O jornal escreve em manchete “A verdade para além de uma minissaia”. O jornal conta ainda que os deputados dizem que conceito de centro histórico é “muito simples e deficiente”. Ainda destaque para a Macao Water: “vêm aí tarifas com preços de amigo”.

 

“Património meio a nu” lê-se na primeira do Ponto FinalAs declarações de rendimentos e interesses patrimoniais de políticos e magistrados serão publicadas no site do Governo a 16 de Outubro. O jornal foi ouvir o que pensam Bill Chou, académico e activista, e o deputado Gabriel Tong. Em foco ainda os três directores de serviços de cardiologia, em três hospitais portugueses, que estão em Macau a convite de Mário Évora. Ontem participaram, no São Januário, em cinco angioplastias complexas.

 

Jornais de Macau em língua inglesa

 

O Business Daily conta que a Viva Macau esteve quase para fazer parte da Air Asia. Antes da empresa encerrar, em 2010, estavam a decorrer negociações. O jornal conta também que em Junho devem ser conhecidos os aumentos da taxa de serviço paga pelo Governo à Macao Water.

 

O Macau Post Daily dá destaque às declarações de Angela Leong, que diz não estar confiante que os casinos da Sociedade de Jogos de Macau possam passar nos testes que qualidade de ar, no âmbito da lei anti tabaco.

 

Na edição de hoje do Macau Daily Times uma entrevista com Edward Tracy. O director executivo da Sands China defende que é tempo de parar de falar de diversificação e de se focar na execução. O diário puxa ainda para primeira página a CTM que aconselha os utilizadores a escolher a rede dos telefones de forma manual em zonas perto da fronteira.

 

Jornais de Hong Kong em língua inglesa

 

O South China Morning Post conta que as propinas da Fundação das escolas inglesas podem aumentar 20 por cento em três anos. Em foco ainda os resultados do banco HSBC. Os lucros registam subida mais forte nos Estados Unidos que na Europa.

 

O China Daily destaca a reacção da China às acusações de ciberespionagem feitas pelo Pentágono. Pequim rejeita essas acusações. Noutra chamada de capa as palavras do Chefe do Executivo de Hong Kong, C.Y. Leung que louva esforços do governo para acabar com a greve dos estivadores.